Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

18
Fev19

The Deuce - da prostituição ao mundo da pornografia

por P. P.

the-deuce-temporada 1

 

     No início da década de 70, nos EUA, a prostituição ilustrava a lendária rua 42, de Times Square, também conhecida por The Deuce. Sexo, drogas e violência conviviam entre si, enquanto a indústria pornográfica emergia. The Deuce é uma série acerca destas realidades, disponível na HBO Portugal, nas suas duas temporadas, estando já prevista a terceira. Assim sendo, a 1.ª temporada contempla os anos 71 e 72 e é aquela sobre a qual me debruço, neste texto. Por outro lado, a 2.ª temporada, reflete o espaço entre 1977 e 1980.

 

    Esta não é uma série para todos. Não é recomendável a menores de 18 anos, pessoas impressionáveis ou com a mente menos aberta. Com um excelente elenco, cenários, figurinos, luz, banda sonora e adereços, aqui o sexo parece, em muitos casos, real, assim como a violência. A relação entre os chulos e as prostitutas encontra-se bem evidente, tal como as dependências e a violência no seu todo. 

    No intuito de fugir aos chulos, na procura de novas oportunidades ou como parte integrante da violência por estes exercida, algumas das prostitutas de então deparam-se com uma indústria desconhecida, na qual, de início, apenas tinham de gravar atos sexuais, sem áudio nem rostos expostos. Entretanto, estas faces começaram a ser expostas, gerando-se conflitos familiares. Mas esta indústria protegia as mulheres da violência das ruas...

    Duas personagens, uma estudante e uma escritora, deambulam neste mundo, no intuito de compreender a submissão feminina. Mergulhamos ainda num mundo em que a homossexualidade era considerada doença mental, de acordo com a DSM, e à mudança do conceito, aumentando a liberdade e à exploração de ambos os sexos. Veja o trailer seguindo a hiperligação.

 

Nota 9 em 10 

05
Dez18

Sensualidade, pornografia, pedofilia, o que não se fala e o Tumblr

por P. P.

Tumblr

   Nesta segunda-feira, eis que muitos dos utilizadores do microblogue Tumblr foram surpreendidos com um comunicado referente à alteração das políticas da plataforma, a qual, no dia 17,  deixará de permitir imagens de nudez, erotismo ou pornografia.  "Conteúdo adulto inclui principalmente fotos, vídeos ou GIFs que mostram genitais humanos reais ou mamilos femininos, e qualquer conteúdo - incluindo fotos, vídeos, GIFs e ilustrações - que retratam atos sexuais."

 

   Devo referir que esta plataforma é das poucas com um sistema que valorizo, no que diz respeito a imagens mais ousadas. Eu, enquanto bloguista de conteúdos para maiores de 18 anos, posso impedir o acesso ao meu microblogue a todos os que não estão registados na plataforma e/ou que nas definições tenham assinalado "não pretendo visualizar conteúdo adulto". Parece que tal não foi suficiente. "Passamos um tempo considerável pesando os prós e contras da expressão na comunidade que inclui conteúdo adulto" , escreveu Jeff D'Onofrio, CEO do Tumblr , como se pode ler no artigo Tumblr Bans Adult Content. “Ao fazer isso, ficou claro que sem esse conteúdo, temos a oportunidade de criar um lugar onde mais pessoas se sintam à vontade para se expressar.”

 

   Já há algum tempo não visitava, de forma atenta, a plataforma pelo que fui apanhado desprevenido. Ao que parece, pelo que li, neste sistema de microblogues foram detetados conteúdos pedófilos, o que levou a APPLE a retirar a APP da sua Apple Store. Curiosamente, ou não, no que ao meu iPad diz respeito, esta sempre se manteve. A meu ver, a pedofilia é um ato hediondo. Nada tem a ver com o sexo entre adultos, a sensualidade, nus artísticos, sexo enquanto forma de manifestação artística,... A equipa falhou, não reconheceu o erro ao nível dos equipamentos utilizados e recursos humanos e agora, todos são postos em causa. É certo que, nesta plataforma, encontramos microblogues dedicados à moda, inclusive no masculino, arte, música... Mas também é verdade que nela se encontram espaços sem qualquer nudez a incentivar a mutilação, os distúrbios alimentares, o bullying entre jovens... Estes três últimos aspetos levaram-me a deambular pela rede uma vez que, numa formação de pedopsiquiatria infantil e da adolescência, constatou-se, de acordo com o pedopsiquiatra e professores, que muitos dos casos que surgiam numa das cidades vizinhas tinham como base o Tumblr. Aliás, no livro "O Coração de Simon contra o Mundo" ou no filme com base neste, "Com Amor, Simon", esta rede é referida. 

 

    Não se lutando contra o bullying, o incentivo à violência, à degradação humana e à infelicidade de muitos jovens e famílias será assim, como refere o CEO, que conseguiremos "a oportunidade de criar um lugar onde mais pessoas se sintam à vontade para se expressar"? Não me parece. Por outro lado, um dos aspetos negativos na plataforma prende-se com a dificuldade em encontrar um artigo. Não existem páginas nem um calendário de referência. Somente, um arquivo no qual vemos imagens ou quase nada a respeito do artigo. Isto no seio de muitos posts... Inserir comentários é outro pesadelo.

 

   De lamentar a forma como procederam por forma a calar manifestações artísticas, sem distinguir variáveis nem refletir de forma ponderada. Parece-me que o fim avizinha-se. Isto é, todos aqueles microblogues adolescentes que referi manter-se-ão. Não mostram mamilos, nem genitais! Acedê-los continuará a ser uma tarefa difícil, dado os nossos jovens divulgarem as hiperligações recorrendo a APP de mensagens de texto.

 

Do nothing or...

 

 

   Nem toda a nudez deve ser condenada.

tumblr_pb59qsKxPY1tx12aqo1_1280.jpg

tumblr_o83jgujYim1sp4hcwo1_1280.jpg

   Esta última foto pertence à galeria do artista visual Curro Rodríguez, provavelmente destinada a desaparecer. A arte e a nudez são condenáveis, ao contrário dos aspetos anteriormente mencionados. 

07
Ago18

On Top na Prostituição... Não é Fácil de Entender

por P. P.

   No dicionário da Priberam procurei o significado de "prostituição".

Eis o resultado:

 

 

(prostituir + -ção)

nome feminino

1. Ato ou efeito de prostituir.

2. Atividade de quem obtém lucro através da oferta de serviços sexuais.

3. Vida desregrada de devassidão. = LIBERTINAGEM

4. O conjunto das pessoas que se prostituem.

5. Profanação.

6. Servilismo degradante.

 


"prostituição", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa , 2008-2013,
 
  

bear-ceramic-bear-ceramic-figure-165746.jpg

 Photo by Mabel Amber from Pexels

 
 
 
   Como definir um programa da TVI, cujo nome remete-nos a "Acima de Tudo, o Amor", para o qual os participantes são contratados, por forma a praticar sexo, entre elementos de diferentes géneros? E o que dizer a respeito dos intervenientes? 
 
   Penso nunca ter visto este programa na íntegra, no canal generalista, mas ontem, dediquei algumas horas a visualizar o canal específico da TVI, dedicado a este programa. Em certo momento, um rapaz disse: -"Aquela que mais me seduz é a que tem uma tatuagem na bunda." Outro questionou-o, rindo com os restantes: - "O que tu queres é ver a tatuagem que tem à frente!". Deixemo-nos de moralismos. De facto, é o que ele e os outros pretendem dada a faixa etária e valores. Mas o que aprendemos com este programa? Que algumas mulheres gostam de ser encaradas como objetos de desejo? Que uns homens com o corpo cuidado dos pés à cabeça repudiam uma brincadeira mais ousada por parte de outro colega, dado comprometer, ao que parece, a sua masculinidade? Que...
 
   Para mim, não é fácil entender.
Intervenientes que se dedicam à prostituição na televisão e concomitante promoção dos serviços?
 
Um público que se excita e/ou masturba perante corpos trabalhados, independentemente das sinapses e do número de palavras proferidas por minuto? 
 
É isto?
O que vos parece?
 
10.º blogue mais comentado do dia.
18
Abr17

Love...On Top?

por P. P.

Love on Top Portugal

 

 

   Não, não acompanho o programa. Porém, as escassas vezes que nele me detenho, em momentos de zapping, permitem-me algumas inferências.

   Este é o tipo de reality show que em nada dignifica as mulheres. Donas de si, é certo, mas sempre prontas a "abrir as pernas" a qualquer um -, neste programa, qual será o conceito de "Love"(?) - e a demonstrar o que há de vulgar num determinado grupo da nossa sociedade. O conceito de amor e de relacionamento são completamente deturpados para qualquer adolescente que veja o programa. 

   Entendo-o como "programa para adultos", mas sei que há pais que não controlam o que os filhos veem na TV. A linguagem é outro fator negativo: "pinar", por exemplo, parece estar a tornar-se vulgar. Como pode um professor operar uma mudança, ensinando e levando os seus alunos a utilizarem os termos "copular" ou "fazer amor"? Pinada está a educação, mas isso fica para outro post.

   A apresentadora muitas vezes não tem perfil para dominar as discussões e conflitos que se criam. É aqui que reconheço o mérito a Teresa Guilherme. Saliente-se ainda que Isabel Silva deixa escapar, com alguma frequência, as suas práticas atuais ou do passado. Iva Domingues, entre outras caras TVI,  não estaria mais capacitada para este papel? 

   Também os rapazes não são "santos", mas mais contidos do que as concorrentes. Fazem parte dos "homens que se cuidam", até em excesso pois tantos cuidados retiram tempo a uma atividade profissional ou aos estudos. Trabalharão?

Felizmente, a amostra de Love on Top não traduz a atual geração em causa, quase toda remetida ao desemprego, apesar dos graus de formação, mas cheia de sonhos. 

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sussure-nos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos

Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

Wook