Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

As Mãos do Meu Pai

Março 20, 2019

P. P.

"As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos…

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,
essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah, Como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.
E é, ainda, a vida
que transfigura das tuas mãos nodosas…
essa chama de vida — que transcende a própria vida…
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma…”

 

Mário Quintana, As mãos de meu pai

 

 

Manuais Gratuitos do 1.º ao 6.º ano de escolaridade

Agosto 02, 2018

P. P.

   Manuais escolares gratuitos, novos ou usados, começaram ontem a ser distribuídos, através da plataforma MEGA, aos cerca de 500 mil alunos do 1.º ao 6.º ano. Pode ler a notícia da Lusa, aqui.

 

   De seguida, partilho alguns cartazes que pretendem fornecer informações e tornar o processo mais célere.

 

O Geral

 

 

cartaz_A3

 

Para as famílias

 

flyerDL_familias

Para as livrarias

 

flyerDL_livrarias

 

Do Dia da Criança - uma reflexão

Junho 03, 2018

P. P.

   Apesar de ser a favor da comemoração do Dia da Criança, não tenho a mesma postura para com a forma como é celebrado por muitos pais e filhos. É importante consciencializar para as assimetrias sociais

Só no ano passado apercebi-me que, ao contactar com um público mais jovem, ao invés de brincar, conversar, ... muitos pais optam por oferecer prendas, como se de uma aniversário se tratasse. 

Atualmente, poucas são as turmas das quais não constam alunos com problemas económicos. Talvez em maior número, no seio de conflitos familiares, meninos que se sujeitam a pais que tentam comprar, de forma materialista, o amor das suas crias.

Entretanto, uma imagem que merece a nossa reflexão.

 

dia da criança.jpg

 

Por 13 Razões - o alerta para dimensões da terrível adolescência

Maio 24, 2018

P. P.

 

por-13-razoes-a-serie-do-netflix-que_sezx

 

   Assisti à 1.ª temporada da série pouco tempo depois de ler o livro. Não escondo ter considerado os primeiros episódios aborrecidos. O "meu" Clay, nas palavras do escritor, não correspondeu ao Clay da ficção. No livro, a ação foi mais célere. Mas não me arrependi por ter seguido a série e o livro, que apresentam Hannah Backer com distintas doenças mentais, dentro do mesmo género. Num dos meios, Hannah é portadora de depressão na adolescência e no outro, constatam-se ainda aspetos de fobia social. É importante saber que algumas doenças mentais instalam-se na adolescência, nem sempre sendo identificadas pelo seu portador. Por exemplo, é preciso saber avaliar o tipo de isolamento, causas, frequência... A ajuda dos profissionais de saúde é impreterível para uma vida feliz, conseguindo-se um tratamento eficaz quando realizado atempadamente. 

 

   Para mim, os episódios mais marcantes foram os das violações e o do corte dos pulsos (suicídio), por parte de Hannah. Episódios considerados para um público adulto e inadequados a pessoas sensíveis, estas são realidades às quais pais, professores e adolescentes não podem permanecer alheios. Num dos casos, uma jovem alcoolizada é violada, com "o consentimento" do namorado, também ele drogado, mas sem o seu, e sem força para resistir a um ato que não pretende. Continuo a questionar o que leva os jovens a tais graus de alcoolismo, mas não estou incumbido de julgar. No outro caso, o de Hannah, a ação decorre dentro de um jacuzzi, com uma interpretação fantástica por parte da atriz, na expressão corporal e facial. Em ambos os casos, o mesmo violador. Um jovem a quem, durante o crescimento, não foram impostas regras, rico e com elevado grau de popularidade, sobretudo no meio desportivo do Secundário. 

 

   Não podemos abnegar estas realidades.

Quantos(as) amigos(as) temos que passaram por esta terrível realidade, a da violação? Quantos não assistimos, direta ou indiretamente, ao suicídio de um(a) colega?

 

   Toda a ação decorre durante o ensino secundário americano - High School -, mas na generalidade, no nosso país, considero-a mais evidente no ensino superior. Contudo, sublinho, estes casos existem nas nossas escolas, no ensino básico e secundário, intra e/ou extramuros. Inclusive, em alguns casos, no seio familiar...

 

   Curiosamente, vi o episódio da violação na mesma época em que, no nosso país, na Queima das Fitas do Porto, uma jovem alcoolizada foi masturbada (ou violada?) pelo namorado, com plateia - o grupo de amigos - e direito a vários apelidos pouco simpáticos, num transporte público da cidade.

 

   Antes de falarmos da 2.ª temporada, recordemos o trailer da primeira.

 

 

   De uma temporada de 13 episódios narrada por Hannah Backer, os 13 da segunda temporada, estreados a 18 de maio, no nosso país, são-no, desta vez, por cada um dos seus colegas. 

   Nesta temporada, o bullying mantém-se. Polaroids são divulgadas, dando a conhecer a existência de um local onde as raparigas são drogadas e violadas. A violência continua. Em simultâneo, decorre o julgamento do caso Hannah, dada uma ação levada a cabo pela mãe contra a Escola. Em cada dia do julgamento, uma nova Hannah, até então desconhecida. Em alguns aspetos, uma Hannah que não corresponde à da primeira temporada, uma vez que a doença mental parece ter sido esquecida. Isto é, determinadas ações e atitudes não são prática dos doentes com as problemáticas assinaladas. Hannah é várias vezes mostrada como uma jovem sorridente e integrada no grupo, o que não é verdade. Assistimos às perceções de cada um dos envolvidos. Todos temos segredos. 

 

   Aliás, nesta temporada é feito o apelo para que os pais comuniquem com os seus filhos, tentem ler sinais e que também os jovens recorram a alguém de confiança, por forma a lavar a alma e procurar ajuda. <<No momento em que começares a falar sobre estes temas difíceis, tudo se tornará mais fácil>>, alertam alguns dos atores de Por 13 Razões, logo no início da segunda temporada da série norte-americana que, no ano passado, pôs o mundo a discutir o suicídio juvenil e o assédio sexual, ainda antes do movimento Me Too.

 

   O protagonismo das vítimas de bullying é considerável. De tal forma que, uma delas, do sexo masculino, é agredido na casa de banho, entre murros e pontapés, e com a cabeça mergulhada na sanita, acaba por ser penetrado com o pau de uma vassoura. Chocante? Sim. Real? Infelizmente, também a esta pergunta a resposta é afirmativa. As toxicodependências não foram esquecidas, assim como os contextos e importância de um grupo específico, nesta faixa etária. 

    A utilização de armas, por adolescentes, é um assunto também abordado. Por vezes, no potencial assassino, pode esconder-se quem sofreu abusos...

   Esta série põe em evidência a importância do que já escrevi neste espaço. Nas nossas Escolas, além de psicólogos devem existir professores com o papel de coach junto dos discentes.

 

   Assista ao trailer da 2.ª temporada.

 

 

 

Qual é a sua opinião acerca dos nossos adolescentes e riscos?

 

 

 

Calendário dos Afetos

Maio 19, 2018

P. P.

 

Um documento muito interessante, extraído do Crianças a Torto e a Direitos

 

 

Calendario dos Afetos

 

Estas 30 "sugestões" são, na sua maioria, práticas diárias numa família funcional. Por vezes, o ritmo e estilo de vida levam-nos a esquecer algumas. Não nos rendamos a tal.

 

Para famílias disfuncionais, este passo a passo pode constituir um caminho. 

Que assim seja!

6 razões para não bater no seu filho

Maio 17, 2018

P. P.

   No Psiconlinebrasil é possível aceder a uma imagem informativa que aponta 6 razões para não batermos nos nossos filhos.

Concorda?

Passemos a uma breve reflexão.

 

6 razões para não bater no seu filho

 

   Uma palmada pode trazer as consequências citadas na imagem? 

As crianças não têm a capacidade de distinguir o correto do incorreto, quando a uma palmada diz respeito, por parte de quem devem obedecer e respeitar?

 

   É certo que existem, estando devidamente plasmados,  Direitos e Deveres, estes últimos muitas vezes esquecidos, das Crianças. Parece-me que os traumas alimentados pela psicologia, no passado, trouxeram consequências a muitas das atuais gerações, facto reconhecido por muitos psicólogos. Nas nossas Escolas, a falta de respeito para com os pares e adultos é notória. O mesmo acontece por parte dos filhos para com a maioria dos pais. Mesmo assim, conheço escolas nas quais é proibido, ao corpo docente, levantar a voz, mesmo que o docente ou auxiliar esteja a ser agredido. Ou para que se faça silêncio, em salas lotadas de alunos, num sistema de ensino com conteúdos desajustados ao desenvolvimento cognitivo. Por estranho que possa parecer, e caso não o tivesse constatado, dado não se tratar do meu nível de ensino, no pré e no 1.ºCEB assistimos a alguns alunos capazes de pontapear aqueles a quem devem obediência, chamam nomes, mordem ... Escusado será dizer que o mesmo ou pior se constata quando junto dos pais, também estes agredidos, muitas vezes sorrindo perante as evidências. 

   Refira-se que grande parte destes alunos não são portadores de necessidades educativas especiais (NEE) ou economicamente carenciados. De este leque de alunos também não fazem parte os "autistas" (portadores de Perturbação do Espetro Autista - PEA), cujas "birras", na realidade, não o são. Nestes casos, trata-se de uma incapacidade de comunicação, de um mal-estar,... Do leque ao qual me refiro, muitos acabam por ser medicados como hiperativos, sem efeitos notórios por parte da medicação, não esquecer os efeitos secundários da medicação. Ou seja, serão mesmo "hiperativos"? O que tem levado ao aumento da venda deste tipo de drogas, nas nossas farmácias, apesar da correta informação por parte da maioria dos farmacêuticos? 

   

 

   Será a palmada capaz de gerar medo, traumas, raiva, o entendimento de que o amor se expressa pela violência e que esta é o caminho para o entendimento?

 

Em meu entender, não. Claro, há que atender à frequência, força aplicada e respetivos contextos. Não será a humilhação superior à dor física?

 

Para que conste, na minha infância e adolescência conheci a agressão física e psicológica. E não foram palmadas...

A dor passa. Já a agressão psicológica deixa marcas, muitas das quais irreversíveis, sobretudo quando indevida e injusta.

 

 

Foto da capa by Brett Sayles from Pexels

Queridos Pais e Mães

Setembro 08, 2017

P. P.

 

 

   Algumas sugestões tão simples, mas que para muitos não são fáceis. 

Os nossos perfis podem não corresponder ao desejado e estar aquém do filho do vizinho. Mas não deixamos de ser gente e ter aspirações. O futuro traça-se tirando partido das potencialidades e procurando melhorar as áreas menos boas.

 

Querida mãe, querido pai

 

Toma Lá Pai

Setembro 06, 2017

P. P.

 

   Ontem, tive uma conversa muito agradável com um aluno já no ensino superior. Em determinado ponto dialogamos acerca do percurso de alguns dos colegas. Desde o início, aquela minha direção de turma não foi nada fácil, atendendo à média das idades e fatores ambientais. Infelizmente,  o que receava concretizou-se. De nada adiantou enfrentar pais com unhas e dentes, ser considerado mau ou antipático... Conforme crescemos, vários são os caminhos com que nos deparamos. Uma estrutura coesa e regrada possibilita a escolha dos melhores ou menos conturbados.

 

   Quando desde cedo os comportamentos disruptivos se fazem sentir, maior é a importância do trabalho conjunto entre pais, professores e estruturas promotoras da Saúde. Remando em caminhos opostos, o resultado é previsível... Por outro lado, os chamamentos, muitas vezes mudos, não podem ser abnegados.

 

   

 

 

 

Toma Lá Pai

 

Mais sobre mim

Direitos

Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D