Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

16
Abr19

A série Quicksand

por P. P.

quicksand

 

      Quicksand é uma série dramática sueca, baseada numa obra obra literária, em 6 episódios, na sua 1.ª temporada, disponibilizada pela Netflix.

      Nesta, acompanhamos a história de Maja Norberg, uma estudante que é detida na sala de aula e acusada do homicídio de alguns dos seus colegas e professor. Na prisão e em tribunal, Maja tem de recorrer ao passado, não obstante o trauma emocional. Inocente ou culpada?

      Uma série agradável cujo trailer pode ver aqui.

02
Abr19

Uma Opinião: A Série After Life

por P. P.

After Life

     Um parecer intimista e pessoal

 

    After Life é uma série de humor negro, em 6 episódios, de 30 minutos cada. Como produtor e ator principal, o inglês Ricky Gervais.

    Nesta série recorre-se ao humor (negro), por forma a abordar temas sérios e pertinentes. Em primeiro lugar, o luto e a forma como podemos encará-lo. Pessoalmente, tive dificuldade em assistir ao 1.º episódio, dado remeter-me para o período de quatro meses após a morte do meu pai, vítima de mieloma múltiplo.
   No argumento, a personagem principal acabou de perder a mulher da sua vida para o cancro. Segue-se a outra etapa, associada ao luto, ao meu luto de então: a depressão e/ou o burnout. Todos os momentos humorísticos que abarcam os momentos desde a falta de paciência até à impulsividade, orlados pelo vocabulário e gestos questionáveis, foram, no meu caso, uma realidade difícil de ultrapassar e de forte penumbra/culpabilidade. Só que o argumentista não se ficou por aqui, ao mostrar um lado menos bom, no perfil da personalidade do psicanalista, com o que também me deparei, durante alguns episódios do meu destino. Na verdade, estes profissionais são humanos, e como tal, erram. Manter o profissionalismo sem deixar que alguns dos seus defeitos transpareçam, parece-me muito difícil.
    Na continuidade desta história, o amor abriu novos horizontes.
Já na minha…

    Os 6 episódios são preenchidos por personagens com as quais nos podemos identificar, não obedecendo a critérios estéticos dúbios.

De sinalizar que o luto é vivido (e deve ser levado a cabo) de maneira diferente, de pessoa para pessoa.  

30
Mar19

Série - Que Coisa Mais Linda

por P. P.

Que coisa mais linda

    Que Coisa mais Linda é uma série brasileira, recentemente lançada na plataforma Netflix. Com 7 episódios, Que Coisa Mais Linda é uma série que evidencia a resiliência, o preconceito, o racismo, as assimetrias, o alcoolismo, o empreendedorismo, as mães e aquelas que tentam sê-lo, no Rio de 1959. Trata-se de uma história de mulheres que ousaram enfrentar o machismo. De homens rudes e de brandos costumes e dos que com eles contrastam. Em simultâneo, o começo da Bossa Nova, um estilo musical por nós tão conhecido.

    Malu (Maria Casadevall) é o ponto de partida da trama, ao viajar para o Rio de Janeiro, no intuito de encontrar o marido e começar uma vida nova. Inesperadamente, descobre que ele fugiu com todo dinheiro que lhe pertencia. Além disso, ele estava muito individado.  Ela decide dar início a uma nova fase, sozinha, abrindo um clube dedicado à música, no local onde ela e o marido iriam abrir um restaurante. No decorrer da sua história, esta liga-se à de outras três mulheres: Lígia (Fernanda Vasconcellos), que renunciou do sonho de ser cantora para se casar ; Thereza (Mel Lisboa), uma jornalista à frente da sua época; e Adélia (Pathy Dejesus), que vive num morro e trabalha como empregada de limpeza para se sustentar e à filha.

 

 

     Em meu entender, esta é uma série para ser vista por pais e filhos, no intuito de alertá-los para as diferenças de género e para a violência doméstica. Apesar de indicada para maiores de 16 anos, alunos do 2.º CEB já conseguem acompanhá-la e entendé--la, sobretudo se orientados. Escusado será dizer que defendo a Educação para os Afetos. Nesta obra, a violência doméstica é apresentada de forma real e contextualizada

 

    No atinente a aspetos específicos, os figurinos, os cenários, o desempenho dos atores e a história são excelentes. Sem dúvida que esta é uma das minhas séries do ano. No último episódio, um final inesperado, o qual deixa em aberto a probabilidade de uma 2.ª temporada. Veja o trailer aqui.

19
Mar19

O Desaparecimento de Madeleine MacCann

por P. P.

 

   O Desaparecimento de Madeleine MacCann é um documentário, em 8 episódios, lançado no passado sábado, ao qual assisti, sem dificuldade. Trata-se de uma obra com sequência, conteúdo e qualidade. 

    Não deixam de serem curiosos os comentários que  podem-se ler no YouTube, a respeito do caso. As opiniões divergem e convergem entre ingleses e portugueses. Na MAGG pode ler Os Maiores Mitos sobre o Caso, clicando na hiperligação. Por outro lado, a insinuação de que os raptores de Maddie foram os mesmos da pequena Joana Cipriano.

 

    O que lhe pareceu a ação da GNR e da PJ neste caso? 

    Como avaliar a participação, neste caso, de Gonçalo Amaral?

 

 

 

 

01
Mar19

Viver sem Permissão

por P. P.

Vivir sin Permisso

 

    A demência, quando diagnosticada atempadamente, possibilita alguns anos com qualidade de vida, ao seu portador.  Esta fase pode marcar uma reflexão profunda a respeito dos erros de uma vida. O doente, tem o direito de ocultar o seu estado à família e amigos, embora este não me pareça o melhor caminho.

 

    Em Vivir Sin Permisso, série espanhola, da Telecinco, filmada na Galiza, o clã do narcotráfico, Nemo Bandeira, ao deparar-se com o diagnóstico de Doença de Alzheimer, logo dá início à procura de um sucessor.  Entre os filhos e o afilhado a escolha não parece fácil. Há ainda uma filha bastarda, fruto do seu único e grande amor - o primeiro. Esta, não habituada a uma vida de luxo e refutando muitas das ofertas do pai, mantém uma relação muito boa com o seu meio-irmão, homossexual e drogado. Por outro lado, a assertividade que lhe assiste, serve de referência ao pai e aos erros cometidos no passado. Doente, apercebe-se que não devia ter deixado o seu grande amor e que o dinheiro de nada serve, quando não se constrói uma família com laços. A inveja e a ambição são capazes de transformar algumas pessoas, tornando-as assassinas. O mesmo se passa com o desejo de vingança...

 

    Com um elenco de luxo, cenários magníficos e belezas naturais encantadoras, o argumento somente falha um pouco, no início, no que concerne às especificidades da doença de Alzheimer. De resto, os episódios deixam-nos sedentos de continuar a acompanhar a história, que não se esgota nem repete. Quando os seus direitos foram adquiridos pela Netflix, já a 2.ª temporada desta série estava prevista. 

 

    Uma série imperdível, como pode ver no trailer

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sussure-nos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos

Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

Wook