Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

Love...On Top?

Love on Top Portugal

 

 

   Não, não acompanho o programa. Porém, as escassas vezes que nele me detenho, em momentos de zapping, permitem-me algumas inferências.

   Este é o tipo de reality show que em nada dignifica as mulheres. Donas de si, é certo, mas sempre prontas a "abrir as pernas" a qualquer um -, neste programa, qual será o conceito de "Love"(?) - e a demonstrar o que há de vulgar num determinado grupo da nossa sociedade. O conceito de amor e de relacionamento são completamente deturpados para qualquer adolescente que veja o programa. 

   Entendo-o como "programa para adultos", mas sei que há pais que não controlam o que os filhos veem na TV. A linguagem é outro fator negativo: "pinar", por exemplo, parece estar a tornar-se vulgar. Como pode um professor operar uma mudança, ensinando e levando os seus alunos a utilizarem os termos "copular" ou "fazer amor"? Pinada está a educação, mas isso fica para outro post.

   A apresentadora muitas vezes não tem perfil para dominar as discussões e conflitos que se criam. É aqui que reconheço o mérito a Teresa Guilherme. Saliente-se ainda que Isabel Silva deixa escapar, com alguma frequência, as suas práticas atuais ou do passado. Iva Domingues, entre outras caras TVI,  não estaria mais capacitada para este papel? 

   Também os rapazes não são "santos", mas mais contidos do que as concorrentes. Fazem parte dos "homens que se cuidam", até em excesso pois tantos cuidados retiram tempo a uma atividade profissional ou aos estudos. Trabalharão?

Felizmente, a amostra de Love on Top não traduz a atual geração em causa, quase toda remetida ao desemprego, apesar dos graus de formação, mas cheia de sonhos. 

6 comentários

Comentar post