Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

A série Luther

Abril 20, 2019

P. P.

Luther

      Luther é uma minissérie policial, da BBC, desenvolvida em 5 temporadas. Em Portugal, está disponível na plataforma Netflix.


      Com um excelente leque de atores, liderado por Idris Elba, nem só de perseguições vive esta trama. O inspetor Luther é um ser complexo, como muitos de nós, repleto de fantasmas e de suma impulsividade. A componente psicológica do personagem alimenta os pontos de ataque desencadeados por alguns inimigos, dentro da própria estrutura policial, movidos pela inveja. Porém, a sua genialidade sobrepõe-se a qualquer ser mal intencionado. Veja os trailers da primeira e da  5.ª temporada.

Sr. Ávila - uma série insólita no mundo do crime organizado

Abril 19, 2019

P. P.

Sr. Ávila

 

    Tony Dalton dá vida ao Sr. Ávila, uma série e produção original da HBO da América Latina e um sucesso mexicano.
      Recomendada para maiores de 18 anos, esta série e respetivas 4 temporadas, com um genérico magnífico, qualidade cinematográfica, fotografia, luz, adereços, sonoplastia, … não deixam ninguém indiferente ao mundo do crime, ao lado sádico e insensato que a caracterizam.

 

      Para a família, Ávila é um vendedor de seguros. Na realidade, o seu universo consiste em matar outros à la carte, como membro de uma organização que mais tarde liderará. A vida familiar não é compatível com o mundo do crime. A certa altura, Ávila passará de agente a elemento a abater,  num mundo regido por regras inusitadas, sem lugar ao perdão.

 

Trailer da T1 , T2, T3 e T4.

A série Quicksand

Abril 16, 2019

P. P.

quicksand

 

      Quicksand é uma série dramática sueca, baseada numa obra obra literária, em 6 episódios, na sua 1.ª temporada, disponibilizada pela Netflix.

      Nesta, acompanhamos a história de Maja Norberg, uma estudante que é detida na sala de aula e acusada do homicídio de alguns dos seus colegas e professor. Na prisão e em tribunal, Maja tem de recorrer ao passado, não obstante o trauma emocional. Inocente ou culpada?

      Uma série agradável cujo trailer pode ver aqui.

Uma Opinião: A Série After Life

Abril 02, 2019

P. P.

After Life

     Um parecer intimista e pessoal

 

    After Life é uma série de humor negro, em 6 episódios, de 30 minutos cada. Como produtor e ator principal, o inglês Ricky Gervais.

    Nesta série recorre-se ao humor (negro), por forma a abordar temas sérios e pertinentes. Em primeiro lugar, o luto e a forma como podemos encará-lo. Pessoalmente, tive dificuldade em assistir ao 1.º episódio, dado remeter-me para o período de quatro meses após a morte do meu pai, vítima de mieloma múltiplo.
   No argumento, a personagem principal acabou de perder a mulher da sua vida para o cancro. Segue-se a outra etapa, associada ao luto, ao meu luto de então: a depressão e/ou o burnout. Todos os momentos humorísticos que abarcam os momentos desde a falta de paciência até à impulsividade, orlados pelo vocabulário e gestos questionáveis, foram, no meu caso, uma realidade difícil de ultrapassar e de forte penumbra/culpabilidade. Só que o argumentista não se ficou por aqui, ao mostrar um lado menos bom, no perfil da personalidade do psicanalista, com o que também me deparei, durante alguns episódios do meu destino. Na verdade, estes profissionais são humanos, e como tal, erram. Manter o profissionalismo sem deixar que alguns dos seus defeitos transpareçam, parece-me muito difícil.
    Na continuidade desta história, o amor abriu novos horizontes.
Já na minha…

    Os 6 episódios são preenchidos por personagens com as quais nos podemos identificar, não obedecendo a critérios estéticos dúbios.

De sinalizar que o luto é vivido (e deve ser levado a cabo) de maneira diferente, de pessoa para pessoa.  

Série - Que Coisa Mais Linda

Março 30, 2019

P. P.

Que coisa mais linda

    Que Coisa mais Linda é uma série brasileira, recentemente lançada na plataforma Netflix. Com 7 episódios, Que Coisa Mais Linda é uma série que evidencia a resiliência, o preconceito, o racismo, as assimetrias, o alcoolismo, o empreendedorismo, as mães e aquelas que tentam sê-lo, no Rio de 1959. Trata-se de uma história de mulheres que ousaram enfrentar o machismo. De homens rudes e de brandos costumes e dos que com eles contrastam. Em simultâneo, o começo da Bossa Nova, um estilo musical por nós tão conhecido.

    Malu (Maria Casadevall) é o ponto de partida da trama, ao viajar para o Rio de Janeiro, no intuito de encontrar o marido e começar uma vida nova. Inesperadamente, descobre que ele fugiu com todo dinheiro que lhe pertencia. Além disso, ele estava muito individado.  Ela decide dar início a uma nova fase, sozinha, abrindo um clube dedicado à música, no local onde ela e o marido iriam abrir um restaurante. No decorrer da sua história, esta liga-se à de outras três mulheres: Lígia (Fernanda Vasconcellos), que renunciou do sonho de ser cantora para se casar ; Thereza (Mel Lisboa), uma jornalista à frente da sua época; e Adélia (Pathy Dejesus), que vive num morro e trabalha como empregada de limpeza para se sustentar e à filha.

 

 

     Em meu entender, esta é uma série para ser vista por pais e filhos, no intuito de alertá-los para as diferenças de género e para a violência doméstica. Apesar de indicada para maiores de 16 anos, alunos do 2.º CEB já conseguem acompanhá-la e entendé--la, sobretudo se orientados. Escusado será dizer que defendo a Educação para os Afetos. Nesta obra, a violência doméstica é apresentada de forma real e contextualizada

 

    No atinente a aspetos específicos, os figurinos, os cenários, o desempenho dos atores e a história são excelentes. Sem dúvida que esta é uma das minhas séries do ano. No último episódio, um final inesperado, o qual deixa em aberto a probabilidade de uma 2.ª temporada. Veja o trailer aqui.

O Cais - a série sensual e misteriosa dos autores de A Casa de Papel

Março 26, 2019

P. P.

    O Cais (El Embarcadero) é uma série espanhola, em 8 episódios, dos autores de A Casa de Papel, disponivel na HBO Portugal. Momentos de suspence adoçados por muita sensualidade. A minha série preferida dos últimos tempos.

 

    As mais valias desta série, na sua primeira temporada, são: o magnífico casting, a luz, produção, realização, argumento, banda sonora, desempenho dos atores e figurinos. Como personagens principais, o nosso conhecido Álvaro Morte, o Professor de A Casa de Papel, Verónica Sánchez e Irene Arcos. 

 

El Embarcadero T1

 

    Em Valência, Oscar, um economista, aparece morto dentro da sua viatura. Ao que tudo indica, um caso de suicídio. Alejandra, sua esposa, é chamada a meio da noite, no intuito de reconhecer o corpo, daquele que julgava em Frankfurt, a trabalho. Mas, podemos viver junto de alguém que realmente não conhecemos, ao contrário daquilo que pensávamos? Assim sucede em O Cais. Oscar tinha uma amante, Veronica, com quem vivia como se casado, a menos de 50 km da sua residência como Alejandra, uma arquiteta em ascensão. 

    Na tentativa de descobrir o que aconteceu ao marido, a esposa depara-se com várias realidades e vertentes, daquele que foi o seu marido, numa relação de 8 anos. A primeira descoberta vai ao encontro de "a outra" e tudo culmina no branqueamento de capitais.

 

    A série levanta questões pouco frequentes no cinema ou em séries. Valeria recordou-me a personagem Gabriela, de Jorge Amado. Toda ela é sensualidade, amante do amor livre, da simplicidade e desprendida dos bens materiais e financeiros. Alguns dos tópicos a refletir sobre esta série são: o poli-amor, sexo vs amor, vidas opostas e duplas, a liberdade, a natureza e a saúde, a vida desconcertante nos nossos dias, o luto ...

 

    Esteja preparado para emoções e pensar a respeito de alguns preconceitos sociais/ formas de estar e ser. Deixo-lhe o trailer, aguardando o seu feedback.

 

 

 

 

 

 

 

Viver sem Permissão

Março 01, 2019

P. P.

Vivir sin Permisso

 

    A demência, quando diagnosticada atempadamente, possibilita alguns anos com qualidade de vida, ao seu portador.  Esta fase pode marcar uma reflexão profunda a respeito dos erros de uma vida. O doente, tem o direito de ocultar o seu estado à família e amigos, embora este não me pareça o melhor caminho.

 

    Em Vivir Sin Permisso, série espanhola, da Telecinco, filmada na Galiza, o clã do narcotráfico, Nemo Bandeira, ao deparar-se com o diagnóstico de Doença de Alzheimer, logo dá início à procura de um sucessor.  Entre os filhos e o afilhado a escolha não parece fácil. Há ainda uma filha bastarda, fruto do seu único e grande amor - o primeiro. Esta, não habituada a uma vida de luxo e refutando muitas das ofertas do pai, mantém uma relação muito boa com o seu meio-irmão, homossexual e drogado. Por outro lado, a assertividade que lhe assiste, serve de referência ao pai e aos erros cometidos no passado. Doente, apercebe-se que não devia ter deixado o seu grande amor e que o dinheiro de nada serve, quando não se constrói uma família com laços. A inveja e a ambição são capazes de transformar algumas pessoas, tornando-as assassinas. O mesmo se passa com o desejo de vingança...

 

    Com um elenco de luxo, cenários magníficos e belezas naturais encantadoras, o argumento somente falha um pouco, no início, no que concerne às especificidades da doença de Alzheimer. De resto, os episódios deixam-nos sedentos de continuar a acompanhar a história, que não se esgota nem repete. Quando os seus direitos foram adquiridos pela Netflix, já a 2.ª temporada desta série estava prevista. 

 

    Uma série imperdível, como pode ver no trailer

The Deuce - da prostituição ao mundo da pornografia

Fevereiro 18, 2019

P. P.

the-deuce-temporada 1

 

     No início da década de 70, nos EUA, a prostituição ilustrava a lendária rua 42, de Times Square, também conhecida por The Deuce. Sexo, drogas e violência conviviam entre si, enquanto a indústria pornográfica emergia. The Deuce é uma série acerca destas realidades, disponível na HBO Portugal, nas suas duas temporadas, estando já prevista a terceira. Assim sendo, a 1.ª temporada contempla os anos 71 e 72 e é aquela sobre a qual me debruço, neste texto. Por outro lado, a 2.ª temporada, reflete o espaço entre 1977 e 1980.

 

    Esta não é uma série para todos. Não é recomendável a menores de 18 anos, pessoas impressionáveis ou com a mente menos aberta. Com um excelente elenco, cenários, figurinos, luz, banda sonora e adereços, aqui o sexo parece, em muitos casos, real, assim como a violência. A relação entre os chulos e as prostitutas encontra-se bem evidente, tal como as dependências e a violência no seu todo. 

    No intuito de fugir aos chulos, na procura de novas oportunidades ou como parte integrante da violência por estes exercida, algumas das prostitutas de então deparam-se com uma indústria desconhecida, na qual, de início, apenas tinham de gravar atos sexuais, sem áudio nem rostos expostos. Entretanto, estas faces começaram a ser expostas, gerando-se conflitos familiares. Mas esta indústria protegia as mulheres da violência das ruas...

    Duas personagens, uma estudante e uma escritora, deambulam neste mundo, no intuito de compreender a submissão feminina. Mergulhamos ainda num mundo em que a homossexualidade era considerada doença mental, de acordo com a DSM, e à mudança do conceito, aumentando a liberdade e à exploração de ambos os sexos. Veja o trailer seguindo a hiperligação.

 

Nota 9 em 10 

Mais sobre mim

Direitos

Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D