Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

13
Mar19

O ribeiro da minha aldeia e a desertificação do interior

por P. P.

Aldeia não.

Bairro de cidade, se faz favor.

 

 

    No passado, a densidade populacional e a área do munícipio ditaram que a vila onde nasci se tornasse cidade. Entretanto, ao que tudo indica, não existem critérios que avaliem a designação de tais estruturas no país, rentáveis para alguns políticos e técnicos das autarquias, com vencimentos idênticos aos daqueles que exercem as mesmas funções nas capitais de distrito; prejudiciais aos habitantes, sem condições de empregabilidade e com uma taxa de impostos superior à devida

 

    Um exemplo prático, sucinto e simplista

 

 

    Os idílicos sons da natureza , naquele que deveria ser um curso de água cuidado e preservado pela autarquia local. Como se constata, pela vegetação e água turva , a poluição é evidente. Numa das margens, os esgotos não tratados, numa obra obsuleta, estranhamente designada ETAR

   Pilares como a saúde, o ambiente, a educação e a equidade social esgotam-se após as campanhas eleitorais, preenchidas por convívios saloios, suscetíveis de manipular algumas mentalidades .


    O interior do país está condenado à desertificação, por parte dos elementos que o representam?

 

11
Mar19

Quantas pontes entre nós

por P. P.

Quantas pontes entre nós by PP

     A ponte, a passagem para outra margem, naquela floresta, há pouco mais de um ano dizimada pelo fogo feroz, num 15 de outubro de 2017 enfeitiçado, fruto da ganância do homem e de um governo desprovido de medidas ambientais e preventivas. 

 

    Uma ponte que une extremos, no que à dimensão das consequências diz respeito, mas não deixa de sentir o pulmão dolente e sufocado, as perdas na flora e na fauna,... Um elo que evidencia a destruição. 

 

    Um dia, de nada adiantará rezar. A revolta dos anjos despojará as preces dos criminosos e de todos aqueles que não lutaram, nós! 

 

                                                                         Fotografia do meu arquivo pessoal 

 

08
Mar19

Professor, senti tanto a tua falta

por P. P.

IMG_20190308_153359_122 - simetria by PP no 1Ceb

    Quando cuidadores informais mergulham na solidão das noites intermináveis, que se sucedem aos dias sem fim, a magia de um "fazes-me falta". Por sinal, recíproco. 

No estranho mundo dos adultos, por vezes, um sorriso e um abraço são de suma importância. Se antes vivíamos rodeados de paredões austeros, agora, impõem-se monumentos racionais, néscios no sentir e na partilha. De companheirismo dolente.

Mas nunca se falou tanto em respeito, solidariedade, bondade, ...

Eu senti muito a tua falta!

04
Mar19

Interpretação da letra Telemóveis de Conan Osiris

por P. P.

i-phone-2547677_1920 - Imagem por nickypung na Pixabay

Imagem por nickypung na Pixabay

 

    Nesta publicação procuro interpretar, de forma pessoal, o tema vencedor do Festival da Canção 2019, Telemóveis, de Conan Osiris, sem conhecer a original. Em torno do intérprete e da letra muito se tem escrito de bom e de mau. De acordo com Miguel Esteves Cardoso, no artigo de opinião, do Público, Viva Conan Osiris, em 21 de fevereiro, "(...) Ouvi-lo cantar é como assistir a uma discussão interminável e irresolúvel sobre as origens do fado: está lá o canto cigano, o canto andaluz, o canto magrebino. Estão lá os visigodos, os romanos e os mouros." Recordemos a letra da música vencedora, com 12 pontos do público e 12 do júri.

 

 

Eu parti o telemóvel
A tentar ligar para o céu
Pra saber se eu mato a saudade
Ou quem morre sou eu


Quem mata quem
Quem mata quem
Mata?
Quem mata quem?
Nem eu sei
Quando eu souber, eu não ligo a mais ninguém


Se a vida ligar
Se a vida mandar mensagem
Se ela não parar
E tu não tiveres coragem de atender
Tu já sabes o que é que vai acontecer

 

Eu vou descer a minha escada
Vou estragar o telemóvel
O telele
Eu vou partir o telemóvel
O teu e o meu
Eu vou estragar o telemóvel
Quero viver e escangalhar o telemóvel


E se eu partir o telemóvel?
Eu só parto aquilo que é meu
Tou pra ver se a saudade morre
Vai na volta quem morre sou eu


Quem mata quem
Mata?
Eu nem sei
A chibaria nunca viu nascer ninguém


Eu partia telemóveis
Mas eu nunca mais parto o meu
Eu sei que a saudade tá morta
Quem mandou a flecha fui eu


Quem mandou a flecha fui eu


Fui eu

 

    O telemóvel tem vindo a ocupar um papel primordial na comunicação entre os homens. Todos procuramos compreender o que acontece connosco, mas nem sempre somos bem sucedidos. Algumas verdades e evidências estão dentro de nós, não nos sendo imediatamente percetíveis, bem como a outros recetores. A saudade é, em meu entender, algo cuja essência somente compreendemos após a morte de um ou mais entes queridos. O seu poder é muito abrangente podendo "matar-nos". Neste perspetiva, o compositor pode referir-se a algum ente querido, como é o caso do pai, que praticamente não conheceu, fruto da morte precoce por problemas de toxicodependência.  

    Na 2.ª e 3.ª estrofes deparamo-nos com a incerteza de quem pode vencer a batalha entre a saudade e a vida. Com receio do que pode resultar desta conexão, antevendo uma resposta que lhe parece óbvia, a decisão de destruir o meio de comunicação, não querendo que a saudade o e nos destrua, ainda que incerto a respeito desta possibilidade ("Tou pra ver se a saudade morre/ Vai na volta quem morre sou eu"). Mas acusar "nunca viu ninguém nascer". Como tal, na última estrofe, o compositor conclui que foi capaz de matá-la, dada a sua iniciativa, evitando o oposto. De tal, revela-se orgulhoso, como expressa nos dois últimos versos "Quem mandou a flecha fui eu/ Fui eu". Assim, de nada adianta partir outros telemóveis: de pouco adianta conhecer a saudade, mas sim saber como destruí-la.

Pesquisar

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Sussure-nos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos

Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

Wook