Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos [in] sensatos de reflexão, opinião e entretenimento

60 anos de Madonna em música

 

Madonna split

 

 

   A deusa da POP, infelizmente, não escapou ao tempo. Porém, para nosso jubilo, mantém-se viva e recomenda-se, o que já não acontece com o deus deste estilo musical.

Ainda recordo quando cada novo êxito da artista fazia-me vibrar. E a todos os vidros existentes por casa.

Sempre provocante, à frente dos tempos e sem preconceitos. Para não frisar os tão conhecidos Live to Tell ou Like a Virgin, destaco Open your Heart, cujo videoclipe foi dirigido por Jean-Baptiste Mondino.

 

 

Ainda na senda dos temas menos conhecidos e que tanto tocaram a minha alma, um videoclipe pouco divulgado e cujo original é difícil encontrar, com algumas batidas "idênticas" a La Isla Bonita, Spanish Eyes.

 

 

 Para quem sabe o que são os conflitos com a imagem paternal, e com a direção de David Flinch, Oh FatherÉ também o momento de recordar o velhinho Papa Don't Preach.

 

 

 

   Na idade de questionar a religião, e uma vez que os santos são construídos à imagem de uma figura humana, nada como Like a Prayer. Naqueles tempos, o meu padrinho tinha pedido a um escultor que fizesse uma santa para a capela da quinta. A obra inicial foi rejeitada, uma vez que o rosto da santa era... o da esposa do artista. Pode um "santo" adquirir vida, no desejo de uma oração? É pecado, dizem. Até o Padre devorava algumas senhoras de bem, tão bem casadas.

Dura adolescência!

 

 

Dando um salto no meu percurso, já no ensino superior as memórias de um passado perdido, This Used to be my Playgroud.

 

 

Tempos da lágrima dolente, que queima enquanto esboça o seu percurso, no rosto de quem o perdeu. You'll See!

 

Só a chuva é capaz de lavar uma alma que sofre em silêncio, sem poder libertar-se das amarras de uma sociedade dúbia. Tempos de Rain. E no desejo, Justify my Love

As minhas noites, longe de...

 

 

 

Primeiro ano de serviço, primeiras perdas familiares.

A irreverência do "não". Afinal, trata-se de Frozen

 

 

Dos seus mais belos temas e pouco conhecido, à semelhança do meu coração de então e dos sentires que se seguiram, Gone.

 

 A verdade não deve advir neste meu/teu Substitute for Love.

 

 

Se há um "sonho americano" conheçamos American Life.

 

 

Esta lista podia continuar. Infelizmente, muitos dos tele-discos aqui deixados desaparecerão, dadas as diretrizes do YouTube, muitas das quais nunca entendi.

Happy B Day, Madonna.

Para refletirmos no nosso quotidiano,  Ray of Life.

 

 

É tempo de pensar no amor...

 

A ler Madonna at 60: A colourful career in pictures

 

FB_IMG_15345029484064109.jpg

 

 

Insensato.jpg

Aretha Franklin (1942-2018)

Aretha Franklin

 

 

Aretha Franklin possuía uma das vozes mais distintas e influentes na história da música "popular".

Numa carreira de 50 anos, acumulou 20 álbuns Top 10, 12 milhões de vendas de singles e ganhou 18 prémios Grammy.

Um artista de imensa versatilidade, com uma voz poderosa, treinada nas igrejas de Gospel, mudou-se para abraçar o jazz, soul e rhythm and blues. A revista Rolling Stone classifica-a como a melhor cantora de todos os tempos.

 

RIP

 

Por forma a demonstrar a sua versatilidade, um dueto com outra estrela que já partiu.

 

 

Insensato.jpg

Cecilia Krull vs. Gavin Moss - My Life Is Going On

Quem não conhece o tema musical que alimenta o genérico de A Casa de Papel?

Admito, até ao momento, nunca ter tido a oportunidade para utilizar o Shazam , por forma a descobrir, até que há pouco, num canal musical...

 

Cecilia Krull

 

 

 

 

Já conheciam esta intérprete?

 

Letra

 

Insensato.jpg

A música e o Bullying

   Uma banda francesa que descobri ao deambular entre os vários e inúmeros canais musicais. Ainda esta semana, no ARTE, foi transmitido um concerto dela, os Indochine, pouco conhecidos no nosso país. A irreverência na luta contra o bullying em contexto escolar.

 

Indochine-College-Boy-clip-censure

 

   Este vídeo foi censurado dada a violência e o processo e filmagem que intensifica a dolência. Questiono, "Quando é que o bullying não é violento?"

Uma vez que defendo mostar "as coisas" tal como são, para reflexão e debate, deixo-vos College Boy

 

 

A homofobia, a diferença, a violência, o nosso mundo...

É tempo de dizer "Basta!

Insensato.jpg

Zeca Veloso , Caetano Veloso e Moreno Veloso - Todo o Homem

 

O sol, manhã de flor e sal
E areia no batom

Farol, saudades no varal
Vermelho, azul, marrom

Eu sou cordão umbilical
Pra mim nunca tá bom

E o sol queimando o meu jornal

 

Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu, espuma de maçã
Barriga, dois irmãos

O meu cabelo negra lã
Nariz, e rosto, e mãos

O mel, a prata, o ouro e a rã
Cabeça e coração

E o céu se abre de manhã
Me abrigo em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

Insensato.jpg

Um novo plágio no Festival... da Eurovisão?

   

WTF_by PP

 

 

 

   Os compositores da canção Toy, vencedora neste ano da Eurovisão em Lisboa, receberam uma carta de aviso da editora Universal, relativa a alegadas semelhanças ao nível dos elementos rítmicos e harmónicos entre este tema e o maior êxito dos White Stripes, Seven Nation Army.

 

 

 

Pessoalmente, concordo com a observação da Universal, essencialmente no início do tema, até às "guitarradas", mas há limites. Os estilos de música e o público a que se destinam são diferentes.

 

 

O que vos parece?

Vivemos na época dos plágios ou já tudo se criou?

Não existem pessoas parecidas, não sendo as mesmas?

 

Ficámos em 10.º lugar nos posts mais lidos do dia.

 

 

Insensato.jpg

Por quem não esqueci

Ricardo Camacho

 

Ricardo Camacho (1954 – 2018)

 

   Produtor, compositor e teclista da Sétima Legião e ainda Médico que se dedicava à investigação da SIDA. Nasceu na ilha da Madeira. Morreu ontem, na Bélgica. Entregou-se hoje a um ‘A Um Deus Desconhecido’.

Fica sempre a obra, mas não chega porque dói.

 

 

Ricardo Camacho foi um dos importantes pilares da modernidade que a música portuguesa começou a desenhar na década de 80, quando, já em ambiente de total liberdade conquistada com o 25 de Abril, uma nova geração começou a sacudir a mentalidade “orgulhosamente só”, a assumir que as canções não estavam obrigadas a serem espaços doutrinários e que a pista de dança podia também ser um espaço de liberdade.

 

Extraído do Blitz, em 04/07/18

 

   Uma peça fundamental na carreira de António Variações, a sua intervenção fez-se também sentir junto a Manuela Moura Guedes, como autor de Foram Cardos, Foram Prosas e dos GNR. Um ano depois de Variações se estrear, Ricardo Camacho assegurou a produção de outro primeiro single, este a cargo dos Sétima Legião, Glória. Desta banda da minha infância e adolescência, na qual foi também músico, que destaco Por Quem Não Esqueci.

 

 

   A versão acústica deste tema na voz de Diogo Piçarra, aqui.

 

Na foto da capa desta publicação, A Sétima Legião nos anos 80. Ricardo Camacho é o terceiro a contar da direita - Arquivo BLITZ

Insensato.jpg

Naquele Inverno, Naquele Inferno

 

monumento de homenagem aos combatentes do ultramar by PP

 Monumento de homenagem aos ex-combatentes na Guerra do Ultramar, Santa Comba Dão, por PP

 

   A Guerra do Ultramar é uns dos momentos que mais dificuldade tenho em compreender na nossa história. Jovens, muitos deles sem nunca terem saído das suas pequenas aldeias e meios rurais, viram-se condenados a uma viagem, para muitos sem retorno, para um Continente desconhecido, com diferentes culturas, hábitos... Jovens que nunca tinham utilizado uma arma e muito menos matado alguém para sobreviver. Jovens submetidos à lei da Selva cujos traumas persistiram (persistem) até ao último suspiro. 

   Recordo, do álbum de fotografias do meu pai, referente a esta fase, algumas sinalizadas com "aqui vi a morte". Adolescentes que pisaram minas e de um futuro promissor nada restou. Talvez a lágrima e o sufoco dos familiares. 

 

   Se a Guerra não teve sentido, o prémio recebido por representar a Pátria (qual?) foi ainda mais dúbio, nada, nem uma medalha de cortiça. Assim se apaga o passado e perpetuou a dor de muitos. 

 

   Um dos melhores temas e letras a respeito deste tema que conheço pertence aos Delfins. Aqui, deixo a interpretação original seguida da dos Resistência, ao vivo. 

 

 

 Uma homenagem a todos os nossos heróis esquecidos!

 

Fonte da capa, aqui

A letra 

 

Insensato.jpg