Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular de dois pólos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular de dois pólos

Alguns modelos para O Diário da Gratião

Modelo de diário da gratidão

    Após ter defendido a não banalização do Diário da Gratidão , citando algumas vantagens desta técnica, logo de seguida partilhei um calendário com atitudes a adotar num mês. Neste momento, dado ter-me deparado com leitores que precisam de adotar esta medida, por forma a encontrar o bem-estar, partilho alguns modelos de Diários da Gratidão, respetivas fontes e hiperligações.

 

    Começo por divulgar aquele que me foi dado a conhecer pela minha coach, psicóloga clínica, da MindCoaching.

 

Gratitude .png

 

    Da página Positive Psychology Program, cuja leitura recomendo e na qual pode encontar sugestões de APP e modelos, eis o PDF da imagem aqui partilhada.

  Free_Gratitude_Journal_from_Karla_Silver.pdf

 

    Pode também recorrer a esta página, da qual partilho um modelo.

gratitudejournal.pdf

 

    Não esqueça, o quanto é importante sua saúde.

A pessoal e a coletiva. Pequenos gestos podem evitar o recurso a medicação indesejada, a qual deve ser administrada sempre com a recomendação do seu médico.

 

 

 

 

 

Baywatch: SOS Matemática

geometry-1023846_1920.jpg

 

 

 

    Ah, a tão temida matemática. Quem não se lembra de tremer cada vez que a data da próxima ficha de avaliação de matemática se aproximava? Muitas coisas podem ter mudado no Sistema de Ensino Português, mas o medo da matemática permanece. Continuamos a ter maus resultados nos exames internacionais. Em 2018, mais de metade dos alunos do 9º ano tiveram negativa nesta disciplina.

    Para muitos, parece que somos cronicamente incapazes de tirar boa nota a matemática - assim como os espanhóis parecem incapazes de dominar o Inglês. Será que os alunos Portugueses não conseguem aprender e… pronto, não há muito a fazer? Claro que não. Os alunos Portugueses são tão capazes como outros quaisquer. Algumas bases deste problema residem nas atuais diretrizes do Ministério da Educação e na implementação de currículos desajustados ao nível etário dos alunos. Por outro lado, a falta de investimento na educação e ideias preconcebidas a respeito desta disciplina. Como exemplo, o facto dos pais terem sido maus alunos nesta ou noutra disciplina, não significa que os filhos também o sejam. A persistência é muito importante.

    A forma como olhamos para a matemática - esse obstáculo invencível - é só o começo deste problema crónico. Se alguém vos disser que algo é difícil, vão começar com receio logo à partida. E ainda só estão na casa zero! Depois, é preciso reservar espaço para o resto. 

    Ao longo do percurso dos nossos alunos muitos problemas estão à espreita. Infelizmente, nem todas as escolas têm recursos TIC disponíveis para o ensino desta e outras disciplinas, os professores não têm muito tempo para criar novos materiais e implementar diferentes tipos de avaliação, valorizando-se o preenchimento de documentação dúbia e desnecessária, nem todas as escolas têm crédito horário para aulas de apoio,...

    A ver todo este périplo estão os explicadores de matemática. Quais nadadores-salvadores na praia, há dezenas de explicadores do ensino secundário em Lisboa e no Porto prontos a saltar para a água e salvar os alunos em apuros. Antes, este era um privilégio apenas de alguns - só as famílias com algum desafogo podiam pagar explicações - mas agora tornou-se mais acessível. Com meia-dúzia de cliques, conseguem encontrar um explicador para os vossos filhos.

    Claro que continua a ser um investimento, mas está ao alcance de muitos mais bolsos. E acreditem que é um investimento que vale a pena: deixam de fugir da matemática, ajuda a que se preparem convenientemente para os exames, e podem escolher a área que realmente querem. A internet tem coisas fantásticas, não é?

 

Artigo pratricionado e não remunerado pela Fixando,  devidamente reajustado por mim

Fixando Porto e Lisboa

O Diário da Gratidão - um não à banalização

diário da gratidão

 

 

 

 

    Desde o início deste ano, ao aceder à área Leituras, do Sapo Blogs, tenho vindo a deparar-me com pequenas publicações diárias, referentes à Gratidão. Não as leio. Em meu entender, trata-se de uma prática que não deve ser vulgarizada e que é da esfera pessoal. A partilhar, que se trate de algo que possa ajudar outras pessoas. Afinal, ainda há uma margem entre a blogosfera e a generalidade das redes sociais. Um blogue não deve ser um espaço egocêntrico, capaz de espelhar um Eu repleto de filtros. 

 

    O sentimento de gratidão tem grande importância para a felicidade e para a saúde mental dos indivíduos. Os benefícios são muitos, como por exemplo:
- promover a saúde, ao nível emocional e físico;
- fortalecer os relacionamentos profissionais,
- melhorar o desempenho profissional,
- estimular o impacto social positivo e
- promover o autoconhecimento.

 

 

Nas nossas vidas diárias, devemos perceber que não é a felicidade que nos torna agradecidos, mas é a gratidão que nos faz felizes.

Albert Clarke, fotógrafo britânico

 

    A tarefa em questão permite-nos constatar que há quem não ande, não tenha comida, um teto,... que o melhor da vida não é comprado. Enquanto reclamamos de forma desalmada, há quem esteja preso a uma cama de hospital, morra lenta e dolorosamente, esteja acorrentado,... Quantas barreiras já ultrapassamos até à atualidade?

 

     Como já foi referido, levar avante um diário de gratidão pode ter muitas vantagens. Quando escrevemos algumas frases, antes de dormir, temos a oportunidade de expor e refletir a respeito das nossas alegrias e preocupações, podendo escrever livremente, principalmente nos momentos em que estamos sozinhos e não temos ninguém para nos ouvir. Importa que esta prática torne-se uma pequena terapia gratuita, para a autoajuda e a auto-cura. Desta forma, podemos aprender a valorizar os aspetos positivos da vida, além de seguir um percurso de auto-conhecimento rumo à felicidade. Um diário de gratidão pode-se tornar uma boa oportunidade para observar, reconhecer, aceitar e processar as nossas emoções ao fim de um dia.

 

    Um diário de gratidão pode ser elaborado num caderno, numa agenda, ou caso opte por comprar, tem este na WOOK.

 

 

Imagine Dragons - Believer

chalkboard-620316_1920.jpg

 

 

 

 

“Believer” thunders around a percussive backbeat and expressive vocals from Dan Reynolds to bring about a message of embracing pain, and using it as a tool for personal growth. It marks the end of Imagine Dragons' self-imposed hiatus that started in 2016. The song acts as the title for their documentary surrounding LGBT youth and the Mormon church.
The song was released on the first of February as the lead single for their third studio album, ƎVOLVE, and was featured in a commercial for the Nintendo Switch that premiered on Super Bowl LI. The song was also featured in the first trailer for Kenneth Branagh’s Murder on the Orient Express remake.
Nearly two years after its release, the band released a remix of the song alongside Lil Wayne during their 2019 National College Football Championship halftime performance.

 

Extraído de Genius, em 11/11/2019

 

A letra 

Pagar ou não propinas no 1.º ciclo de estudos académicos

alimento-aprendendo-borrao-256520

 

 

 

    Uma nova situação divide a esquerda da direita, aqui representada pelo PSD: pagar ou não as propinas no primeiro ciclo de estudos académicos.

    Nos meus tempos, apenas aqueles cujos pais tinham um rendimento superior a determinada quantia pagavam propinas. Recentemente, o Presidente da República (PR), o mesmo que aprovou que estas fossem pagas por todos, independentemente do contexto social, afirmou: "<<[O fim das propinas] significa dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior>>" - Marcelo Rebelo de Sousa, PR, Convenção Nacional do Ensino Superior, 7 de janeiro de 2019. O BE já deu os primeiros passos neste sentido, mas mesmo entre socialistas, nem todos corroboram desta ideia. O ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior afirmou que dentro de 10 anos esta medida será possível de implementar. Entretanto, no próximo ano letivo, estas baixarão €212.

 

    De acordo com Nuno Crato, "o fim das propinas é um erro e significa que o país inteiro estaria a financiar os jovens que estão a estudar.” No Twitter, foi Rui Rio, líder do PSD, quem considerou que acabar com as propinas significaria por os portugueses que não frequentam a universidade a pagar pelos que a frequentam. “A justiça social faz-se pela ação social, nunca desta forma.”

 

 

Na argumentação de Rui Rio, Nuno Crato e Marçal Grilo há uma lógica comum, explicada pelo antigo ministro socialista: “Abolir as propinas é um erro porque é manifestamente injusto. E é injusto pelo seguinte: as propinas são uma forma das pessoas contribuírem para a sua formação e para a sua valorização pessoal e profissional e é um investimento que tem um alto retorno. Porque é que não devem ser abolidas? Ao abolir transfere-se dinheiro dos mais pobres para os mais ricos. Sabe porquê? Porque se ninguém paga propinas, significa que o Estado paga tudo e se o Estado paga tudo são os nossos impostos, diretos e indiretos, que contribuem para esse bolo. Os mais pobres pagam impostos — mesmo que não pagam os diretos como o IRS, pagam os indiretos. Uma medida destas é injusta porque vai penalizar aqueles que são mais desfavorecidos.
Nuno Crato defende que as desigualdades sociais no acesso ao ensino superior se combatem através do reforço “das bolsas de ação social” ou na “construção de habitação” para os alunos — uma das fatias mais gordas dos custos de um aluno deslocado. Marçal Grilo vai mais além e acredita que o importante é aumentar o leque de quem tem direito a receber a ação social.
O Estado o que tem de fazer é o seguinte: dizer que ninguém deve ficar de fora por razões económicas e financeiras e deve ter um sistema de ação social escolar, como tem, mas mais generoso para as pessoas poderem ter acesso a mais coisas e abranger um maior número de estudantes. Há, de facto, uma camada da população que pode não estar ao alcance da ação social escolar, mas que também não tem condições para pagar as propinas”, diz o antigo ministro da Educação, lembrando que as propinas são apenas uma parte da fatura de quem estuda longe de casa. Há ainda os custos de habitação, deslocação, refeições.
“A bolsa tem é de cobrir tudo isso. E veja-se que os miúdos que têm ação social escolar já não pagam propinas. Esta é uma medida errada porque é injusta. As propinas não são um factor de desigualdade social. Se forem bem compensadas com um sistema de ação social escolar são um sistema de maior igualização das pessoas”, conclui.

 

in Observador, extraído em 09/01/2019, às 22h.21min

 

Qual é a sua opinião no que concerne a esta temática?

Quais são as alternativas?

 

O Programa da Cristina

O Programa da Cristina.jpg

 

    Ontem, na SIC, no período da manhã, estreou O Programa da Cristina, a nova aposta do canal. O estúdio, à semelhança de uma casa, encontra-se dividido em duas salas de estar, uma cozinha, um closet, um escritório e um quarto.

Não sendo um fã assérimo da apresentadora, finalmente encontrei aquela que me parece ser a verdadeira Cristina Ferreira (CF), pondo em prática os conhecimentos adquiridos no ensino superior e na escola da vida, detentora do blogue Daily Cristina. Trata-se de um programa essencialmente informativo, com entrevistas leves, mas profundas. Como tal, com conteúdo, capazes de nos fazer refletir e operar a mudança. Deparamo-nos com uma CF, muitas vezes semelhante a Júlia Pinheiro, sem perder a autenticidade. Considero ainda, depararmo-nos com uma apresentadora com alguns dos dons de Daniel de Oliveira mergulhando no olhar e dores dos entrevistados. 

    Como ficar indiferente à entrevista realizada à mãe de João Pedro? Alheio ao mundo do futebol, outro idêntico ao da política, gostei muito do esmiuçar do homem e treinador Luís Filipe Vieira. Não só de tragédias é feito o programa. O humor também lugar.

 

Qual é a fórmula para o sucesso de CF?

 

Neste mundo desprovido de valores...

André Gago - fotografia do seu FB

 

 

 

    ... A diferença culmina em punições.

Já o tinha constatado na área da educação. Ontem, chegou-nos o exemplo do ator André Gago, como aqui noticiado, que ao decidir estar presente num funeral, abraçando assim um amigo, foi despedido da peça que se encontrava a ensaiar. Com que direito? Até quando?

 

Do FB de André Gago

 

As experiências sociais televisivas - de Casados à Primeira Vista a First Dates

O carro do amor

 

    As experiências sociais, devidamente adornadas, por forma a conseguir audiências, têm tomado conta do panorama televisivo português. Ainda não muito distantes das épocas e do apogeu dos reality shows, o novo formato tem vindo a impor-se. 

    Entre coachs e psicólogos, o estudo do comportamento humano tem suscitado o interesse dos portugueses, assim como algumas das suas condicionantes, no que diz respeito ao tão almejado "amor". Por um lado, a dignificação de profissões impreteríveis ao nosso equilíbrio. Por outro, o elemento presente nas nossas relações mais elementares.

   Os programas Casados à Primeira Vista e O Carro do Amor, que julguei não ver nem preferir as versões nacionais, face às de outros países, têm evidenciado a importância do envidar de esforços por parte das partes envolvidas, num relacionamento, mesmo quando a ciência aponta para o casal ideal. As cedências continuam explícitas, assim como a verdade e a fidelidade, inclusive em tempos desprovidos de valores, como os atuais. Somos seres fieis? O nosso individualismo implica relacionamentos sem futuro ou obsessivos? Ambos os programas são conduzidos pela doce e participativa Diana Chaves.

 

    Do outro lado da janela, pela TVI, o programa em que o que importa é copular e alimentar conflitos, através de corpos perfeitos revestidos de mentes vazias, - Love on Top -, emergiu o vazio First Dates, dinamizado por Fátima Lopes, naquele que não é o seu habitat e Ruben Rua, capaz de despertar o desejo de ambos os sexos ou de ferir a confiança de muitos dos pretendentes. Sem qualquer análise comportamental, um espaço no qual pouco ou nada se aprende, entre encontros pautados pela inércia.

 

vip-pt-36482-noticia-first-dates-tentei-falar-mas-

 

    Por parte da SIC saliente-se o magnífico casting levado a cabo. Mas, existirá fórmula para o amor?

 

Pág. 1/2