Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

O Início da Vida - The Beginnig of Life

The beginnig of Life

   The Beginning of Life é uma série documental, lançada em 5 de maio de 2016, a qual pode encontrar em dividida em 6 episódios, na Netflix ou como filme de 2h, com o título O Começo da Vida.

 

   Como série ou filme é totalmente recomendável a futuros pais, pais, educadores, profissionais de saúde, pedagogos,... De seguida, abordarei esta documentário como série dado ter sido a forma como encontrei e visualizei esta fonte de saber. 

 

Do FB de O Começo da Vida

 

 

   Nela, em estrita articulação com padrões da neurociência, demostra-se que os bebés são mais inteligentes do que pensamos e o poder do afeto e dos cuidados para o desenvolvimento de novos estruturas neurológicas, o que não se constata, por exemplo, em crianças abandonadas ou sem afetos disponíveis, como tantas vezes sucede nas instituições (e não só!). Isto é demonstrado inclusive, com ratos e gatos, em laboratório. Também o pai cuidador, nos primeiros meses de vida, pode ganhar novas estruturas neurológicas, como se uma tendência da nossa espécie fosse quebrada. Uma criança que receba pouco afeto, e como tal veja comprometida o desenvolvimento de estruturas neurológicas, em princípio, futuramente, como progenitor(a) também não saberá dá-lo aos seus descendentes. “As recordações emocionais tanto para o bem quanto para o mal têm um peso muito maior durante este período, que é um tempo de formação, criação e estruturação de indivíduos”, diz Estela Renner, diretora da série.

 

Da página do FB - O Começo da Vida

 

   As famílias monoparentais ou homossexuais são também estudadas e apresentadas.

   Esta série mostra ainda como o ambiente da criança, durante os primeiros anos de vida, pode moldar o seu desenvolvimento cognitivo, emocional e social. A série apresenta entrevistas com especialistas mundias em desenvolvimento na primeira infância e de famílias de diversas origens culturais, étnicas e sociais, incluindo a super-modelo Gisele Bündchen e Phula, uma menina que cuida sozinha de seus irmãos na Índia (um exemplo de vida e sobrevivência).

 

   Claro que os modelos de ensino/aprendizagem e currículos com que nos deparamos, nas nossas escolas, deixam-nos a pensar se  queremos futuros agentes inovadores ou seres tristes, sem curiosidade. Uma situação extremamente peculiar, nem sempre levada a cabo por educadores, intra e extramuros, por culpa do Ministério da Educação e limitações colocadas por muitos Agrupamentos de Escolas (e/ou pais), consiste na exploração de pinhais ou terrenos próximos dos Jardins de Infância. Por esta razão, no 2.º CEB, em ciências naturais, no decorrer dos anos, os meus alunos têm vindo a manifestar desconhecimento na identificação de um musgo ou de um feto, desconheçam as sementes da maçã e respetiva função, ...  Também no 1.ºCEB, o ensino da classificação das raízes, por exemplo, sem recurso ao meio envolvente, traz consequências. Não bastasse muitos ensinarem, de forma errada, o que são raízes tuberculosas.

 

   Questiono os conhecimentos a respeito do desenvolvimento infantil, inclusive na adolescência, de quem lavra os programas curriculares em vigor.

 

Do FB - O Começo da Vida

 

   O Começo da Vida é uma produção da Maria Farinha Filmes, em associação com vários colaboradores, dentre os quais a Fundação Bernard van Leer.

“Nós apoiamos O Começo da Vida para difundir uma mensagem urgente: dar a todas as crianças um bom começo na vida é crucial para a construção de sociedades pacíficas, prósperas e criativas – e o que marca a diferença são as pessoas que se fazem presentes na vida das crianças pequenas”, acrescenta Michael Feigelson, diretor executivo da Fundação.

 

 

 

A ver!

 

Cecilia Krull vs. Gavin Moss - My Life Is Going On

Quem não conhece o tema musical que alimenta o genérico de A Casa de Papel?

Admito, até ao momento, nunca ter tido a oportunidade para utilizar o Shazam , por forma a descobrir, até que há pouco, num canal musical...

 

Cecilia Krull

 

 

 

 

Já conheciam esta intérprete?

 

Letra

 

Follow Friday - "O Tapa-Olhos"

   A minha opinião acerca dos destaques da Equipa do Sapo Blogs é do conhecimento público. Basta lê-la, por exemplo, aqui. Particularmente comentada pelos bloguistas mais queridos da equipa citada e pelo líder da mesma.

Ups, ironia!

 

   Apesar do meu vasto leque de bloguistas preferidos, os quais sigo e procuro comentar, com a assiduidade possível, não participo do Follow Friday dado considerá-lo uma extenção da imparcialidade da Equipa que, diariamente, elege este ou aquele blogue, deste ou daquela bloguista que todos conhecemos. Refiro-me, sobretudo às publicações destacadas sem conteúdo, sem argumentação fundamentada ou sem diferentes pontos de vista. Um processo que certamente dá a conhecer outros blogues, sobretudo a quem passa o dia frente ao PC ou tablet, não passa do que considero "tapa-olhos", face às práticas em nada democráticas.

 

Follow Friday

Lutemos por uma plataforma portuguesa justa, de e para todos, com qualidade e equidade.

 

 

Já recorreu ao Portal da Queixa e ao Livro de Reclamações?

Eu já!

Entretanto, fomos o 5.º blogue mais comentado no fim de semna.

 

 

A música e o Bullying

   Uma banda francesa que descobri ao deambular entre os vários e inúmeros canais musicais. Ainda esta semana, no ARTE, foi transmitido um concerto dela, os Indochine, pouco conhecidos no nosso país. A irreverência na luta contra o bullying em contexto escolar.

 

Indochine-College-Boy-clip-censure

 

   Este vídeo foi censurado dada a violência e o processo e filmagem que intensifica a dolência. Questiono, "Quando é que o bullying não é violento?"

Uma vez que defendo mostar "as coisas" tal como são, para reflexão e debate, deixo-vos College Boy

 

 

A homofobia, a diferença, a violência, o nosso mundo...

É tempo de dizer "Basta!

Ninguém merece uma equipa Sapo Blogs que promova destaques

Com base em bloguistas favoritos, com conteúdo nulo, sem dar prioridade à democracia...

Inclusive, nesta plataforma, assiste-se a bloguistas que apenas comentam os blogues da autoria dos preferidos, afastando-se daqueles que dizem o que pensam, sobretudo se tal não for a favor dos princípios (quais?) da equipa em causa.

 

   Desta vez, o que considero intolerável ocorreu. E não foi o facto da equipa em questão abnegar ou repudiar os meus e-mails que não merecem resposta. Neste meu blogue escrevi, pelo menos, 2 artigos a respeito da atual situação dos professores, bem como critiquei currículos e tenho vindo a defender a educação para os afetos. Defendo o reposicionamento dos professores na carreira, mesmo que não acompanhado do respetivo vencimento. Acredito que muitos outros tenham vindo a escrever a respeito destas temáticas jamais, até então, merecedoras de destaque na página do Sapo. Hoje, ao aceder ao portal Sapo, deparei-me com um destaque que não deixa de ser merecido, mas que, de certo modo, incentiva o posicionamento da sociedade contra os professores. E um artigo que mostre o outro lado? Seguramente, tal Equipa não terá encontrado nenhum na sua vasta blogosfera. É isto o que se entende por democracia? É esta uma das prioridades da Equipa, mesmo enfatizando blogues que recorrem ao palavrão ordinário e desnecessário ou pareça promotora dos direitos LGBT, sem atender ao quão rigorosa deve fazer-se uma seleção que vise a mudança de mentalidades?

 

Destaque promovido pela Equipa Sapo Blogs em 24/07/18

 

   Definitivamente, este não é o meu lugar e ao WordPress ou Blogspot devo voltar. 

Os professores merecem respeito.

As ideias devem ser confrontadas com outras, por forma a promover um sistema dialético que leve cada um a formar um juízo. 

 

Só mais uma nota, um pouco fora do contexto.

Quando a série A Casa de Papel surgiu na Netflix aqui escrevi o meu parecer. O mesmo tem vindo a acontecer com outras. Como qualquer leitor pode constatar, os destaques referentes à série em causa surgiram mais tarde, todos eles da autoria dos elementos tradicionais.

Nem o assassinato do jovem estudante universitário, oriundo de Santa Comba Dão, mereceu a atenção desta plataforma... 

 

5.º blogue mais comentado neste dia

 

SOS - A minha família precisa de ajuda

media.nrj.fr_1_sos-couple-jeremy-l

 

   Uma vez mais, ontem à noite, no canal francês NRJ12 deparei-me com o programa SOS Ma Famille a Besoin d'Aide, apresentado pelo educador, desportista e coach Pascal Soetens. No ar desde 15 de abril de 2014.

 

   Perante famílias disfuncionais e adolescentes problemáticosPascal procura levar a assertividade, educação e o respeito mutuo. As atividades propostas, típicas de um coach familiar são bastante interessantes. Se quiser, pode assistir a um episódio aqui ou a vários, no canal oficial do Dailymotion , do YouTube ou no NRJ Play.

 

 

   Ontem, assisti ao especial ilustrado pela imagem, na qual um jovem casal foi orientado a amar-se, respeitar-se e levar a cabo as incumbências típicas do mundo dos adultos, de que é exemplo, trabalhar. 

 

   É sabido que defendo este tipo de programas, inclusive o Super Nanny, como escrevi aqui, uma vez que nos prestam orientações bastante pertinentes nos campos da educação, respeito e vida em sociedade. Por outro lado, admiro quem pede ajuda, uma vez que poucos são aqueles que têm noção desta necessidade tal como acontece, noutra vertente, na visita ao psicólogo ou psiquiatra. 

 

   Dos adolescentes que nos são dados a conhecer neste programa, muitos são o retrato daqueles que se disseminam nas nossas Escolas, regra geral em cursos/vias específicas. Parte deles, fruto de uma educação permissiva na infância. O que podem e devem fazer os professores perante a permanente e crescente falta de autoridade? E os agentes de segurança, independentemente do género, que se debatem com o mesmo problema? Procurando um outro lado do programa, estes são aqueles que, quando apresentados a alguns dos diretores das nossas Escolas, não se coíbem de os mandar "à m#rd@", enquanto eles sorriem e fingem nada ouvir. Sim, já assisti a este fenómeno várias vezes. Para não falar na discrepância, em alguns casos, na aplicação do Estatuto do Aluno a estes alunos e a outros que, por uma ou várias razões, não o cumpriram.

 

   As Escolas devem oferecer serviços de coaching?

Em vosso entender, qual seria o grau de aceitação de um programa semelhante no nosso país? Criar-se-ia o mesmo celeuma gerado em redor do Super Nanny?

Ninguém é de Ninguém

   Um crime.

Um dia que morreu cedo demais, para dar lugar a uma noite pautada pelo ciúme

De acordo com a imprensa, álcool, drogas e o ciúme, numa relação já terminada, a discussão que deu lugar ao terminus de uma vida. Uma lua com retalhos de sangue e algumas perfurações. Ninguém tem o direito de roubar a vida ao seu semelhante. Somente, de acordo com a crença de cada um, uma força Divina. Mas quem somos nós para condenar?

 

   Insisto na falta de educação para os afetos, vulga "Educação Sexual", nas nossas Escolas. Nos preconceitos e receios na respetiva abordagem. Que a orientação sexual não é uma escolha. Insisto que, nas nossas Escolas, os alunos estão demasiado tempo nas salas de aula, não aprendendo a interagir, reagir e resolver conflitos. Saltam-se estadios do desenvolvimento, em nome de programas curriculares absurdos. Talvez por estas razões, associadas a hábitos académicos que fazem parte de algumas instituições ou minorias, da discussão passou-se às facadas.  O chamamento do manto negro.

 

Como entender que ninguém é de ninguém?

Todos nascemos do ventre de uma mãe. Quase todas nos acolhem e cuidam até estarmos preparados para "voar". O mesmo acontece no reino animal, destacando, por exemplo, os pássaros e gatos.

O crescimento e as dimensões da sexualidade jogam entre si, tornando-nos adultos. É importante salientar que os erros que fazem parte de determinada idade/estadio do desenvolvimento, quando não praticados nos respetivos momentos, manifestar-se-ão, na fase adulta, de forma inusitada. 

 

Os vídeos que a seguir disponibilizo já foram por mim aplicados em turmas do 6.º ano, na unidade da Reprodução Humana, em aulas/momentos de educação sexual. Alerto que o conteúdo pode ferir a sensibilidade de alguns leitores. Em ambos, de acordo com a orientação sexual, os amores, conflitos, frustrações,... rumo a um final que se pretende feliz ou equilibrado. 

 

 

 

 

As fotografias que ilustram esta publicação são do Facebook do Miguel Ribeiro, em modo público.

 

Pág. 1/3