Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, ao deambular entre dois polos

Naquele semicírculo

   Ao levantar-se sentiu que alguém, talvez de uma outra dimensão, lhe dizia para não sair de casa. 

Refutou aquele que sempre foi um dos seus pontos fortes: o instinto. Talvez porque, longe dali, estaria em contacto com o mundo da fantasia, de pensamentos não filtrados e jogos infindáveis. Por vezes, há que procurar sair da galáxia que não escolheu, repleta de gemidos ou gritos de dor, fragmentos da sua enorme impotência.

 

   Na sua vida, nunca um semicírculo fora tão perfeito. Na 4.ª velocidade, o sentir-se rumo a um abismo, numa sensação que confirmou a falta de vontade de viver. Não teve medo. O veículo rodopiou 180.º no sentido dos ponteiros do relógio ao pisar algum tipo de lubrificante no piso, em nada semelhante aos destinados ao prazer sexual. Talvez a transparência. 

 

   Em hora de ponta, no sentido oposto ao da sua direção, pode contar com a ajuda de um só condutor. Aquele que, ao parar por forma a que nova meia-volta fosse dada, recebeu a buzinadela de quem se encontrava atrás dele, dificilmente sem conseguir ter assistido ao breve espetáculo matemático ocorrido. Os valores e a educação também se observam pelos pequenos gestos. 

 

   Conseguiu seguir, não deixando de pisar segmentos de reta com e sem tracejado. Durante o dia, o instinto inicial adquiriu novo significado. 

 

imagem_dicasfev_destaque

 

 

Viver não é fácil.

Então quando norteado por quem anseia sangue e semear a discórdia...

Arte | Somos ondas?

As ondas unem-nos, fundem-nos ou delineam-nos?

 

 

Ondas

 

 

E ainda...

 

 

 

 

 

 

 

Voar sem Enguiço

Olhar o quê e procurar o porquê, para quê?

Dos meus olhos brota a inércia de um ódio não consentido, sem ponta de viso. 

 

Naqueles tempos, o amanhã perdeu o sentido. 

Hoje, os loucos controlam o mundo, desde o micro ao macrocosmos, com um nefasto riso. 

 

Já eu, esse ser desprovido de razão, anseio um voo leve e sem sofrimento. 

Agora, aqui ou ali... Sem sinais, lágrimas ou enguiço.

 

 

Na Serra da Estrela by PP @ Flickr

 

Cinema | Os Inocentes

 

Los Inocentes

 

 

 

 

   Não, não se trata do Silêncio dos Inocentes. Este é um filme que vi na semana passada, pensando que a principal temática girava em torno da escravatura...

 

   Los Inocentes é um filme argentino de 2015, disponibilizado na plataforma Netflix, dirigido por Mauricio Brunetti. Passado no século XIX, a escravatura ainda está presente. Um menino portador de deficiência motora é tratado de forma rígida e cruel pelo seu pai tirano. Um daqueles homens para quem os "negros eram uma praga" (frase do filme), "estando por tudo quanto é lado". Contudo, não se coíbe de procurar os prazeres da carne junto à escrava mais bonita de senzala. O irmão desta, melhor amigo do menino deficiente, acaba por encurtar o seu trajeto neste mundo, ao ser envergonhado pelo seu dono.

 

   Grávida, a escrava recusa-se a abortar. E aqui assistimos a todo o esplendor da igreja daqueles tempos, sua relação com as famílias ricas e eventuais beatas que matam.

 

 

   Nesta fase, já o filho do dono da fazenda e escravos tinha sido mandado estudar numa colégio distante. No entender do pai, nunca seria ninguém, além de um inválido inútil. Contudo, passados 15 anos, regressa à fazenda, com a sua noiva. Porém, não esperava reviver os abusos, constatar os abusos dos escravos e a existência de espíritos que pretendem levar avante os planos que um dia os levaram à morte. 

 

   Quando vi este filme, não me tinha apercebido que tratava-se de um filme de terror. A ação decorre com alguma lentidão, o que melhor permite entender os sentimentos das personagens. Os figurinos e cenários são pontos fortes, assim como a representação de muitos dos atores. Por vezes, a ação assusta. Ou assustou-me, talvez por acreditar em muito daquilo que pode ser fantasioso para muitos. Uma vez mais, a magia dos autores da América Latina, assiste-se numa obra cinematográfica. Este filme está avaliado com 5.2 no IMDb.

 

Veja o trailer.

  

Lamento à Incógnita

 

Close Door by PV - Flickr

 

 

   Quantas vezes o sofrimento é mensurável? 

A matemática da vida não permanece objetiva e o conjunto solução é tantas vezes vazio ou infinito. 

 

   Nos acordes das notas de sangue, em Dó maior, a dor da alma arrisca-se a anular as fragrâncias que aquela porta encerra, a par das memórias de uma vida, agora quase sem cor. 

De que adianta gritar, quando o mundo desvirtualiza o que é nosso?

 

Assim, aos poucos se morre.

Na espera.

Na oração.

Da esperança.

 

Temporariamente sós, até àquele lapso da vida que nos remete para a incógnita.

 

 

Desafio | Desarrumações Mentais

   Este desafio foi-me lançado pela Desarrumada . Logo considerei-o hilariante.

Vamos levá-lo avante?

 

1 - Se te pagassem 100.000€ para posares na capa de uma revista, a segurar uma garrafa de champanhe numa mão e com alguém ao teu lado a dar-te morangos à boca vestido com o fato-de-banho verde do Borat, preferias que essa pessoa fosse o Manuel Luís Goucha ou o Fernando Mendes?

 

Sem dúvida, o Fernando Mendes. Juntos seriamos confundidos com uma bola de neve e ninguém reparia devidamente em tal ousadia. Remus, juntas-te a nós?

 

Borat

 

2 - Ias num cruzeiro, o teu barco naufragava, só havia dois sobreviventes e ambos davam à costa na mesma ilha deserta, com 4 metros x 4 metros. Teriam que obrigatoriamente conviver um com o outro todas as 24 horas do dia e ajudar-se mutuamente para sobreviver. Escolhias naufragar com o Donald Trump ou com o Kim Jong-un?

 

 

Esta pergunta não é de resposta fácil. Embora o Kim seja muito inteligente, enquadro-o num perfil semelhante ao de Hitler, sendo muito inteligente. Bem sei que, em termos de sobrevivência, dada a inteligência, este seria a melhor escolha. Porém, prefiro ficar em risco de morte com Donald Trump, que muito tem a aprender com o Robison, que por lá parecerá. 

 

3 - Estás de olhos vendados numa câmara de tortura a ouvir em loop os mesmos 5 CD's. Não sabes quanto tempo vais lá estar, pode ser 1 dia, pode ser um ano. Que banda sonora escolhias: Quim Barreiros ou Ana Malhoa?

 

Quim Barreiros, claro, Pelo menos, tem humor e é deste mundo. Até agora, ainda não descobri elementos estranhos no meu corpo, causados pela Ana Malhoa, ao contrário do Triptofano.

 

4 - Escolhe, rápido: uma martelada no meio da mão direita ou bater com o dedo mindinho do pé esquerdo na quina de um móvel?

 

Bater com o dedo mindinho do pé esquerdo na quina de um móvel. Certamente ouvir-se-à uma palavra muito feita, mas sem outras consequências de maior. Quem gosta de marteladas, é o nosso HD.

 

5 - Última pergunta desta ronda: se fosses eleito presidente de Portugal, e te fosse concedido um génio da lâmpada que só te pudesse realizar um único desejo relativamente às tuas acções políticas, tu optavas por aumentar o salário mínimo para 1100€/mês ou fazer com que nunca mais houvesse um incêndio em Portugal?

 

Pergunta muito difícil, mas penso que dada a minha consciência ecológica e os benefícios a curto e longo prazo, optaria por que não mais houvesse um incêndio em Portugal. 

 

Para dar continuidade a este desafio, podendo responder às perguntas nos comentários ou elaborar uma publicção, nomeio o Robison, o HD, o Remus e a Fátima.

Pág. 1/3