Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[In]sensato

O (in)correto deambula entre nós

[In]sensato

O (in)correto deambula entre nós

Super Nanny Portugal chegou e revolucionou

 

Super Nanny Portugal

 

 

   Finalmente, ontem, chegou até nós a versão Portuguesa do programa Super Nanny, pela SIC. Há muito, acompanho a versão francesa, com casos deveras complicados. Neste "documentário" são retratados problemas reais, com os quais pais e professores se confrontam, fruto das tendências e valores da educação nos nossos dias; sem esquecer alguns pecados do passado, associados aos "traumas" que Psicologia cultivou.

 

   À semelhança de quem reconhece a necessidade de procurar a ajuda de um profissional de saúde mental, por forma a encontrar o equilíbrio, admiro os pais que assumem a dificuldade no controle das reações, impulsividade e educação geral dos seus descendentes. Não é fácil! Claro que, num futuro próximo, estas crianças, já adultas, ver-se-ão retratadas e poderão por em causa a respetiva imagem ou eventual uso/abuso da mesma. Acredito que em muitas situações, só um ato de amor pode ter levado muitos destes pais, independentemente do caché,  a recorrer à ajuda de uma coach especializada neste caso, a psicóloga clínica Teresa Paula Marques . Se porventura, algumas das situações forem representadas, o importante é o que podemos aprender com elas. 

 

   Nas redes sociais, nomeadamente na página do Facebook do programa, as reações negativas já se fazem sentir. Poucos têm noção de que a grande maioria dos comportamentos em análise, neste primeiro episódio, são-no também, na Escola. Ou seja, colegas, professores, auxiliares de ação educativa e outros pais estão a par destes e de outros comportamentos. As tentativas de agressão e o "tu não mandas em mim" são frequentes. Claro que, na sua maioria, associadas a um forte suporte por parte dos pais, que já perderam o controle da situação, ainda não a identificaram ou não distinguem o mimo da implementação de regras. Várias são as situações em que não é fácil dizer "Não!"

 

   Parecem-me importantes a componente didática do programa e as técnicas partilhadas, que poder-nos-ão vir a ser úteis enquanto pais, educadores e membros da comunidade educativa. Por outro lado, a tomada de consciência de como se encontra o sistema de valores, respeito e integridade, no nosso país. Noutra dimensão, as nossas Escolas, que limitam e condicionam o tempo para brincar, namorar e interagir destas crianças e jovens.

 

   O que aconteceu para que estes pais se tenham perdido na educação dos seus filhos?

Saliente-se, aqueles que não reconhecem as dificuldades, até porque não dá jeito. Recordo um caso, em que uma mãe, quando confrontada com a falta de regras impostas à (ao) sua(seu) educanda(o), desviava a conversa para as práticas sexuais daquela ou outras noites, sem que nada lhe tivesse sido perguntado a respeito. Sim, isto é real. Para outros, a responsabilidade é exclusiva da Escola. Temos ainda aqueles que, ao impor regras, receiam que os filhos deixem de gostar deles. Não podemos esquecer, crianças que precisam de medicação, por forma a controlar algumas deficiências ou comportamentos, mas os pais optam por gastar os subsídios atribuídos para o efeito, em outros "bens". Algo que acontece, com frequência, por exemplo, no caso de portadores de PEA, vulgos autistas. 

 

   Quais são as gerações que pretendemos/ queremos?

 

Para finalizar, não posso deixar de assinalar casos em que a autoridade dos pais é posta em causa, por entidades dúbias. O mesmo acontece, diariamente, com a dos professores, auxiliares de educação e... agentes de segurança. Um alerta para muitos pais divorciados: os filhos não são bonecos, mas pessoas em formação, a diferentes níveis. Desautorizar, bajular ou fazer prevalecer o poder económico, de diferentes formas, não conduz um ser a um desenvolvimento saudável.

 

  Vivemos num país de aparências, falsos valores, de parca modéstia e gerações à deriva. Todos temos direitos, mas não deveres:  a democracia está doente!

 

 

#supernannyportugal

Não deixe de ler 14 Regras Base para a Educação das Crianças

50 comentários

Comentar post

Pág. 2/2