Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular entre pólos

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião e entretenimento, no deambular entre pólos

SOS - A minha família precisa de ajuda

media.nrj.fr_1_sos-couple-jeremy-l

 

   Uma vez mais, ontem à noite, no canal francês NRJ12 deparei-me com o programa SOS Ma Famille a Besoin d'Aide, apresentado pelo educador, desportista e coach Pascal Soetens. No ar desde 15 de abril de 2014.

 

   Perante famílias disfuncionais e adolescentes problemáticosPascal procura levar a assertividade, educação e o respeito mutuo. As atividades propostas, típicas de um coach familiar são bastante interessantes. Se quiser, pode assistir a um episódio aqui ou a vários, no canal oficial do Dailymotion , do YouTube ou no NRJ Play.

 

 

   Ontem, assisti ao especial ilustrado pela imagem, na qual um jovem casal foi orientado a amar-se, respeitar-se e levar a cabo as incumbências típicas do mundo dos adultos, de que é exemplo, trabalhar. 

 

   É sabido que defendo este tipo de programas, inclusive o Super Nanny, como escrevi aqui, uma vez que nos prestam orientações bastante pertinentes nos campos da educação, respeito e vida em sociedade. Por outro lado, admiro quem pede ajuda, uma vez que poucos são aqueles que têm noção desta necessidade tal como acontece, noutra vertente, na visita ao psicólogo ou psiquiatra. 

 

   Dos adolescentes que nos são dados a conhecer neste programa, muitos são o retrato daqueles que se disseminam nas nossas Escolas, regra geral em cursos/vias específicas. Parte deles, fruto de uma educação permissiva na infância. O que podem e devem fazer os professores perante a permanente e crescente falta de autoridade? E os agentes de segurança, independentemente do género, que se debatem com o mesmo problema? Procurando um outro lado do programa, estes são aqueles que, quando apresentados a alguns dos diretores das nossas Escolas, não se coíbem de os mandar "à m#rd@", enquanto eles sorriem e fingem nada ouvir. Sim, já assisti a este fenómeno várias vezes. Para não falar na discrepância, em alguns casos, na aplicação do Estatuto do Aluno a estes alunos e a outros que, por uma ou várias razões, não o cumpriram.

 

   As Escolas devem oferecer serviços de coaching?

Em vosso entender, qual seria o grau de aceitação de um programa semelhante no nosso país? Criar-se-ia o mesmo celeuma gerado em redor do Super Nanny?

27 comentários

Comentar post