Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

[In]sensato

O (in)correto deambula entre nós...

[In]sensato

O (in)correto deambula entre nós...

Desafio 52 Semanas - Eu sempre

Desafio 52 semanas by Fátima Bento

Semana 7 - Eu sempre...

 

  •    Sofri perante a impossibilidade de ajudar ou entender doentes terminais/ portadores de doenças complexas, o que se verifica pela 2.ª vez na minha vida. 

ester-marie-doysabas-253267.Photo by Ester Marie Doysabas on Unsplash

Photo by Ester Marie Doysabas on Unsplash

  •     Senti-me mal ao não poder ajudar um aluno, por causa das regras estipuladas pela Escola.

abigail-keenan-27292. Photo by Abigail Keenan on Unsplash

 Photo by Abigail Keenan on Unsplash

  •    Tive tendência para ser do "contra". 

quino-al-302041. Photo by Quino Al on Unsplash

Photo by Quino Al on Unsplash

  •    Detestei lambe-botas.

 

  •    Tive predisposição para sentir além, ouvir e pressentir "nada saber". 

dmitry-ratushny-64773. Photo by Dmitry Ratushny on Unsplash

Photo by Dmitry Ratushny on Unsplash

  •    Comprei smartphones atendendo à qualidade da máquina fotográfica.

 

  •    Fui apaixonado por música, línguas, psicologia e biologia.

 

  •    Fui contra fanatismos.

katarzyna-kos-68212. Photo by Katarzyna Kos on Unsplash

Photo by Katarzyna Kos on Unsplash

  •    Considerei que os cuidados de beleza (entenda-se saúde/higiene) dos homens deveriam ser idênticos aos das senhoras.

 

  •    Fui rejeitado por grande parte da família. 

nikko-macaspac-263785. Photo by nikko macaspac on Unsplash

Photo by nikko macaspac on Unsplash

  •    Quis viver num lugar verdejante, com rios, muitas flores, pássaros... Devaneios de criança.

john-mark-kuznietsov-280303.  Photo by John-Mark Kuznietsov on Unsplash

Photo by John-Mark Kuznietsov on Unsplash

  •    Tive dificuldade em gostar de viver (ou saber viver).

alex-boyd-260336. Photo by Alex Boyd on Unsplash

Photo by Alex Boyd on Unsplash

  •    Dei a mão ao meu semelhante, em caso de dificuldade (exceto caso não me tenha apercebido).

alexei-scutari-560667.Photo by Alexei Scutari on Unsplash

Photo by Alexei Scutari on Unsplash

  •    Defendi os alunos com dificuldades das atrocidades praticadas no passado por alguns professores.

madi-robson-113926.Photo by Madi Robson on Unsplash

Photo by Madi Robson on Unsplash

  •   Integrei-me bem em minorias.

 

  •   Fui igual a tantos outros: inútil, sem fé e sem pautar pela diferença. As grades e as correntes existem!

mitchel-lensink-220106. Photo by Mitchel Lensink on Unsplash

Photo by Mitchel Lensink on Unsplash

 

 

   Neste desafio participam, para além de mim, por ordem alfabética, a 3ª face, a Ana, a Catarina, o Carlos, a Carlota, a Charneca em Flor, a Daniela, a Desarrumada, o David, a Fátima, a Gorduchita,  Happy, a Hipster Chic, a Isabel, a Mãe A, a Mariana, a Maria Mocha, a Marquesa de Marvila, a Mimi, a Paula, a Sweetener, a Sofia  e o Triptofano .

 

Verifique o que cada um de nós vai respondendo ao longo do ano.

Também pode seguir a tag  52 semanas

Arte - Ora Bolas!

Da prima Teresa Cachado Alves para o Atelier Internacional de Belas Artes

 Pintura a óleo, Ora Bolas!,  por Teresa Cachado Alves

 

    Nesta publicação apresento-vos o recente trabalho da prima Teresa Alves, desenvolvido no Atelier Internacional de Belas Artes.

Para esta pintura, a Teresa baseou-se numa fotografia do portefólio do seu avó. "Ora Bolas!" era o título da foto a preto e branco. Esta retratava um miúdo que ao saltar o arame farpado da Defesa Marítima do Porto de Lisboa, naquele tempo situado em Belém, onde hoje é o Hotel Altis, ao tentar movimentar-se no meio das bóias enormes, rasgou os calções.

 

   Como obra de arte que é, não pude deixar de fazer uma interpretação pessoal desta pintura a óleo. Em meu entender, o jogo de cores permite-nos voar até outros contextos. Assim sendo, gostaria de, na caixa de comentários saber qual é a vossa interpretação pessoal. Depois da pergunta que se segue, deixo a minha.

 

 

Qual é a vossa interpretação acerca desta obra?

 

 

 Esta é uma obra que me agrada muito.

A minha interpretação consiste na fuga, de um menino, dividido entre dois mundos. O das bombas, numa das quais se reflete a sua sombra e o aprisionamento num colorido que pode expressar explosões ou um muro. Do lado de cá, do arame, o nosso mundo, numa localidade em paz.

Um cenário, na minha perspetiva, da II.ª Grande Guerra Mundia, que não consigo dissociar de "O Menino do Pijama às Riscas".

Opinião - Apaches

   Apaches é uma série da A3S (Atresseries), canal do grupo da Antena 3 , não disponível no nosso país, mas cujas obras nos chegam pela Netflix. Se Portugal tem vindo a melhorar na produção de telenovelas, nuestros hermanos têm vindo a demonstrar muito talento na produção de séries, ao nível dos figurinos, temáticas, dinâmicas de cena, representação e temas.

 

apaches-netflix

 

 

   Uma temporada de doze capítulos,  para contar a história de Miguel, um jornalista que foi "forçado" a voltar ao lugar de onde foi salvo, o bairro madrileno de Tetuán , na década de 90, onde o risco de cair na marginalidade está "ao virar da esquina".


A "contradição" entre ter que regressar, juntamente com uma certa nostalgia e um certo gosto de viver nesse espaço novamente, é o que mais interessa acerca do seu personagem, que se aliará com um amigo de infância (Eloy Azorín) para se vingar daqueles que levaram o seu pai à ruína e a lutar pela justiça. Isto, mesmo que tal o leve a cometer ilegalidades e a se tornar um ladrão de joelharias.

 

   Uma série realista e muito poderosa. Nela se enfatisa a chamada "lei do bairro".

 

O início da amizade entre as duas personagens principais

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/4